58º SEMINáRIO DO GEL - 2010
 
 Referência 
SILVA, José Amorim da. ESTRATÉGIAS DE REFERENCIAÇÃO: A SUBSTITUIÇÃO LEXICAL EM TEXTOS DE ALUNOS INDÍGENAS DA COMUNIDADE TERENA DE MIRANDA-MS. In: SEMINÁRIO DO GEL, 58., 2010, Programação... São Carlos (SP): GEL, 2010. Disponível em: <http://www.gel.org.br/?resumo=6891-10>. Acesso em: dd.mmm.aaaa.
 
 Dados do trabalho 
Título:
ESTRATÉGIAS DE REFERENCIAÇÃO: A SUBSTITUIÇÃO LEXICAL EM TEXTOS DE ALUNOS INDÍGENAS DA COMUNIDADE TERENA DE MIRANDA-MS
Autor(es): JOSé AMORIM DA SILVA - UFMS - CPTL
Resumo:
Neste trabalho, analisa-se as estratégias de referenciação utilizadas por alunos da comunidade indígena Terena, de Miranda – MS –, especificamente no que concerne à substituição lexical, recurso pelo qual se pode referir ou predicar o mesmo referente sem que seja necessário voltar ao mesmo lexema, tornando o texto mais enxuto e eficaz ao leitor. Esse tipo de estratégia é também um recurso coesivo, pelo qual se promove a ligação entre dois segmentos textuais (ANTUNES, p.96, 2005), haja vista que a substituição é uma forma do sujeito também dar progressão à cadeia textual e trazer ao texto informações novas sobre o referente, dando abertura para que se possa predicar, ampliar dados pertinentes à cadeia textual e informar melhor o leitor. Esta pesquisa não tem simplesmente um caráter de designar objetos-do-mundo, mas principalmente designar que a estratégia de substituição do referente pertence a uma prática inserida aos objetos-de-discurso. Nossa maneira de ver e dizer o real não coincide com o real. Nosso cérebro reelabora os dados sensoriais para fins de apreensão e compreensão (KOCH, p.57, 2004). Esta visão não significa negar o histórico, mas fazer análise sobre o que é discutido e como é abordado nas práticas sociais para se proceder a uma determinada realidade dos fatos. Portanto, a referência diz respeito às operações efetuadas pelos sujeitos à medida que o discurso se desenvolve (APOTHÉLOZ; REICHLER-BÉGUELIN, apud KOCH, p. 58, 2004). Sendo assim, a referenciação se processa por uma atividade linguística/discursiva que o locutor constrói ao decorrer de suas produções, visando persuadir seu interlocutor. Como objetivo dessa proposta, procura-se mostrar em que contribuem os recursos lexicais utilizados pelos alunos para o desenvolvimento da tessitura do texto, esclarecer ao público leitor e pesquisador da Linguística Textual - entre outros campos das ciências humanas - a relevância da referenciação no processo da construção e reconstrução de textos escritos, de modo que sejam revistos alguns conceitos sobre a prioridade na produção de textos com alunos da Educação Básica. Quanto à fundamentação teórica, nortearão este estudo Koch (2004), Koch; Elias (2009), Marcuschi; Antunes (2005), Barbi (2003), Fávero (2002), Cavalcante; Rodrigues; Ciulla (2003), que discorrem sobre a relevância da referenciação como recurso estratégico na produção de textos. Faz-se necessário refletir nesta pesquisa sobre as práticas culturais como enriquecimento ideológico e linguístico para a formação de caráter e ampliação de vocabulário para que o sujeito adquira certas informações, uma vez que a linguagem é um bem social. É sabido que o desenvolvimento cognitivo pode transformar o “real” em referente, a partir da percepção do locutor/analista, ao realizar o processo de compreensão do tema em análise; para isto depende da capacidade de percepção sobre uma visão racional da realidade em que o sujeito se encontra; assim, a referenciação constitui uma atividade discursiva. Ao fazer uso da referenciação, o sujeito produtor passa a construir uma nova realidade que pode ser mantida e também alterada de acordo com os fatores contextuais. Quanto ao procedimento metodológico deste trabalho, tem-se como base a interação entre orientador, representantes da comunidade e respectivas lideranças a fim de se obter contato e aplicação de questionário para obtenção de dados para análise, a qual complementa-se com diálogo entre pesquisador, discentes e coordenadores da escola. O trabalho com textos de alunos indígenas da comunidade Terena é inovador, pois nenhuma outra pesquisa fora realizada neste sentido nas escolas indígenas brasileiras. Dessa forma, buscaremos compreender como os processos de referenciação ocorrem em textos de L2, principalmente neste grupo indígena em que possuem um português atípico, sendo considerado por pesquisadores como uma forma de crioulo.