logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Curitiba e Londrina: uma análise sob a perspectiva das crenças e atitudes linguísticas
Autor(es): Dayse de Souza Loureno. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave crenas e atitudes lingusticas,Curitiba,Londrina
Resumo Um ramo da Sociolinguística, o das Crenças e Atitudes Linguísticas, tem buscado entender o fenômeno da variação a partir da consciência que o usuário da língua tem diante do seu idioma ou da sua variante. Esse viés originou-se no final da década de 60 de uma subdivisão da Psicologia Social, cujos precursores foram os canadenses Wallace e William Lambert. Os estudos de Crenças e Atitudes Linguísticas têm se tornado férteis no cenário dos estudos linguísticos, sobretudo no âmbito paranaense. Contudo, não foi explorada a dualidade existente entre as maiores cidades do estado do Paraná: Curitiba e Londrina. Elas apresentam um cenário linguístico bastante diverso, uma vez que Londrina, cidade interiorana, é mais influenciada pelo sul do estado de São Paulo do que por sua própria capital, Curitiba. Dessa forma, a presente proposta visa compreender as atitudes valorativas no que tange às crenças e atitudes linguísticas nos falantes segundo a Psicologia Social (Lambert, 1966); qual a percepção dos falantes de uma dessas cidades em relação à outra; a presença de estereótipos, além de desmistificar a influência da percepção linguística na atribuição de características físicas e pessoais. Esta pesquisa foi baseada na técnica Matched-Guises, ou falsos pares, desenvolvida por Wallace Lambert (1966), dessa forma, parte-se da seleção das cidades (Curitiba e Londrina); a escolha de um texto que deve ser de cunho neutro para que seu conteúdo não influencie na atribuição de valores; a gravação da leitura desse texto por dois falantes (um natural de Londrina e outro de Curitiba), submissão dessa gravação a 12 informantes de cada localidade segundo um perfil pré-estabelecido; preenchimento da ficha avaliativa sobre os falantes a partir das vozes e, por fim, a análise das fichas que irá expor os resultados. Com este trabalho, pretende-se mapear e/ou registrar a existência ou não de estigmas referentes à fala do outro e, consequentemente, ao outro.