logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Derivação Regressiva em nomes deverbais do PB e verbos denominais do inglês
Autor(es): Ana Paula Scher. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave Derivao regressiva,Nomes deverbais,Verbos denominais
Resumo Entre os processos de formação de palavras, a gramática tradicional, bem como a teoria linguística baseada em modelos de análise de cunho lexicalista, identifica a chamada derivação regressiva, doravante, DR, (Barreto, 1980; Basílio, 1981; Freitas, 1990; Kehdi, 1998; Lobato, 1998), um processo singular de formação de palavras por derivação, que, diferentemente dos outros, deriva uma forma resultante com menos elementos que a forma de base: (1) Ameaça (ameaçar) (2) Desarme (desarmar); (3) Fabrico (fabricar); Entre as perguntas relevantes para a investigação desse processo, estão a direcionalidade da formação (como explicar, por exemplo, que fabrico deriva de fabricar, mas enfeitar deriva de enfeite), além da analogia e da produtividade. Neste trabalho, analisaremos a DR do ponto de vista da direcionalidade, observando os casos mais comuns desse tipo de formação de palavras, nomeadamente, a formação de nomes deverbais do português brasileiro (PB), tais como os de (1) a (3), além de verbos tratados como derivados de nomes compostos do inglês, tais como (4) e (5): (4) Baby-sit baby-sitter (5) Self-destruct self-destruction Nosso objetivo é avaliar a correção de modelos de análise morfológica baseados na palavra, uma vez que a formação de palavras por DR sempre foi usada como evidência importante para modelos dessa natureza. Também nos interessamos por identificar a natureza deste processo em termos de um modelo não lexicalista de análise morfologia, nomeadamente, a Morfologia Distribuída. Assim, assumindo que a DR i) altera a especificação lexical da base (embarque (embarcar)), ii) suprime uma unidade morfológica e mantém uma base, iii) cria novas unidades lexicais, e iv) insere, aleatoriamente, uma vogal final (Basílio, 1987 e Rocha, 1990), estabeleceremos uma tipologia de nomes deverbais formados por DR, no PB, de acordo com duas propriedades: i) a vogal inserida no nome deverbal e sua relação com a vogal temática do verbo, e ii) a possibilidade de ocorrência de outro nome deverbal com significado semelhante, formado com –ção ou –mento. Paralelamente, para os dados do inglês, estabeleceremos uma classificação em termos de dois parâmetros: i) o afixo que ocorre na formação nominal (-er, -ion, etc), mas está ausente no verbo derivado; e ii) o tipo e estrutura do composto do qual resulta essa forma verbal. Os resultados dessa classificação nas línguas em foco neste trabalho nos permitirão avaliar o papel que a raiz presente nas formas derivante e derivada representa nesse processo, bem como entender o que realmente acontece nele em termos estruturais.