logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Estudo preliminar sobre a pluralidade nominal e verbal em Pykobjê-Gavião (Timbira)
Autor(es): Talita Rodrigues da Silva. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave Lnguas indgenas,Tronco Macro-J,Morfossemntica
Resumo Este estudo está inserido na proposta de doutorado, com início em 2012, e tem como objetivo central descrever e analisar preliminarmente a pluralidade, de modo a estabelecer um paralelo entre a pluralidade nominal e a pluralidade que envolve o nível verbal (cf. BACH, 1986). O Pykobjê-Gavião é, segundo Aryon Dall’Igna RODRIGUES (1986), uma das sete línguas que fazem parte do Grupo Timbira (Tronco Linguístico Macro Jê, Família Jê). O povo indígena homônimo (cerca de 600 indivíduos) na micro-região de Imperatriz (MA). Sobre a tipologia da ordem dos constituintes (cf. GREENBERG, 1963; DRYER, 1992), observamos que o Pykobjê-Gavião deixa entrever uma ordem básica do tipo SV/APV. No que diz respeito às formas de pluralidade nominal, a predição de ordenamento também não tende a corresponder sempre ao modelo proposto por Greenberg (1963). O plural e as leituras de coletivo tendem a ser marcados por meio de morfemas lexicais dispostos à periferia direita do nome. Quando a referência é coletiva, ela é realizada por meio do uso de catëë jë, que forma uma única palavra lexical, com o sentido de ‘o grupo de pessoas, de coisas’, à revelia de o nome em questão ser [±animado], e deve estar sempre disposto à direita do substantivo que modificará. Parece ser usado para designar um conjunto de seres/coisas da mesma espécie, podendo englobar tanto átomos quanto somas. Ainda com a referência de coletivo, a palavra jë pode unir-se apenas a nomes [+humano]. Os nomes podem receber marca de plural, através do morfema independente {me}, igualmente restrito semanticamente a nomes que carregam o traço [+humano]. Sobre a categoria verbal (cf. SCHACHTER, 2007), em Pykobjê-Gavião, os verbos podem servir como núcleo de VP (Verbal Phrase) e/ou núcleo de predicado verbo-adjetival (VA), dentre os quais destacamos: verbos intransitivos simples ativos, verbos intransitivos estado, verbos intransitivos processo, verbos intransitivos estendidos, verbos transitivos simples e verbos transitivos estendidos. No nível verbal, a pluralidade tende a ser marcada, sobretudo, de três formas: pela reduplicação, restrita a algumas raízes verbais; por meio de advérbios temporais de cardinalidade; ou através de advérbios de frequência, que apresentam uma cardinalidade mais vaga, em que os eventos podem estar preenchendo plenamente o intervalo determinado (operadores ry’hy’ e cahör) ou apenas marcando-o pontualmente (operador ry’my’). Apesar de as posições variarem relativamente, parece que advérbios de cardinalidade tendem a ocupar preferencialmente pós-V, ao passo que os de frequência variam entre início de sentença e pós-S.