logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: A pontuação no material didático do Ensino Fundamental I e II de uma franquia nacional
Autor(es): Pascoalina Bailon de Oliveira Saleh. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 23/10/2019
Palavra-chave Pontuao,Ensino Fundamental ,Material didtico
Resumo Este trabalho investiga a abordagem da pontuação no material didático de Letramento e de Língua Portuguesa do ensino fundamental I e II de uma importante franquia nacional. Seguindo a tendência das propostas curriculares nacionais que defendem um ensino de Língua Portuguesa centrado nas práticas discursivas, tanto a coleção do Ensino Fundamental I como a do Ensino Fundamental II, propõem-se a abordar as regras da língua como dependentes da situação comunicativa, das intenções dos interlocutores e das escolhas estilística. Dentre as diversas implicações dessa proposta, ressaltamos, por um lado, a necessidade de reconhecimento da especificidade da escrita em relação à fala; por outro, uma organização metodológica que privilegie as práticas discursivas aliadas à reflexão linguística centrada em usos efetivos da língua. Segundo Meschonnic (2006), o escrito e o falado possuem cada qual um ritmo, uma prosódia e uma semântica própria. Diante disso, a pontuação é um tópico privilegiado para refletir sobre esse tema. Na gramática normativa, que ainda tem sido a principal referência para o estudo escolar da pontuação, a escrita tem sido tratada em correlação com a oralidade (Dahlet, 2002), embora alguns estudiosos deixem transparecer intuições sobre o ritmo característico da organização da linguagem em sua expressão escrita (CHACON, 1997). Além disso, a gramática normativa limita a abordagem da pontuação à frase, desconsiderando implicações lingüísticas que fogem ao normativo, assim como a faceta textual e discursiva do uso desse mecanismo. Dessa forma, nosso objetivo é, a partir de uma análise qualitativa, identificar se a abordagem da pontuação nos livros reconhece a especificidade da escrita em relação à fala e se de fato propicia a reflexão sobre os usos desse mecanismo em textos de diversos gêneros, levando, pois em conta, a sua natureza multifacetada. Os resultados indicam que o material procura enfatizar usos linguísticos reais a fim de propiciar uma visão do dinamismo e da heterogeneidade da língua, mas esbarra em uma visão de escrita como representação da fala e de pontuação como decorrente da sintaxe, além de uma excessiva preocupação com a nomenclatura e a classificação.