logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Análise comparativa entre os inventários fonológicos do Português como língua materna e do Inglês como língua-alvo: importante ferramenta para o incremento da habilidade oral no idioma estrangeiro
Autor(es): Suzana Maria Lucas Santos de Souza. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave inventrios fonolgicos,Ingls,Portugus
Resumo O propósito deste trabalho reside em apontar a relevância de um estudo contrastivo entre os sistemas sonoros da língua materna, o Português do Brasil e do idioma-alvo, o Inglês Americano, como instrumento propiciador do desenvolvimento da oralidade no idioma estrangeiro. Como ressalta Steinberg (2006), ao ouvirmos os fonemas de uma língua estrangeira, nossa tendência natural é a de percebê-los como iguais ou bem semelhantes àqueles existentes no inventário fonológico de nossa própria língua, contudo, de forma distorcida. Segundo Cagliari (2002), os sons da nova língua são inicialmente processados e interpretados pelo ouvinte estrangeiro com base no sistema sonoro de sua língua materna. Estudos de Lado (1990) revelam que no inventário fonológico da língua inglesa há fonemas que são fisicamente semelhantes àqueles presentes na língua portuguesa e que, consequentemente, são emitidos de forma similar, a exemplo das consoantes oclusivas /p/, /b/,/t/ /d/ /k/, /g/, das fricativas /f/, /v/, /s/, /z/ e das nasais /m/ e /n/, em posição inicial de sílaba. Nestes casos, o processo de aquisição da língua-alvo se faz por meio de mera transferência, com certa facilidade. Entretanto, o processo comunicativo poderá ficar comprometido sempre que o falante nativo do português fizer uso de um fonema do seu sistema de sons para substituir um fonema característico da língua inglesa, sem correspondente em português, como por exemplo, os segmentos fricativos linguodentais surdos e sonoros. Tal fenômeno poderia ocorrer, na articulação dos pares mínimos sink/think, free/three, dare/there e tin/thin. A troca de um fonema pelo outro acarretaria mudança de significado, percepção não identificada pelo sujeito brasileiro aprendiz da língua inglesa, sobretudo em fase inicial. Com base nessas considerações, a presente pesquisa propõe algumas reflexões sobre semelhanças e diferenças em determinados aspectos dos sistemas sonoros da língua receptora e da língua de importação. Ratifica-se que a comparação do sistema fônico de uma língua estrangeira com o da língua nativa constitui-se em importante ferramenta para o desenvolvimento da oralidade na língua estrangeira. Acredita-se, dessa forma, que o professor linguista que adotar tal estratégia de contraste, irá adquirir uma compreensão mais nítida dos problemas de aprendizagem e poderá prever e diagnosticar com precisão as reais dificuldades encontradas por seus aprendizes.