logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Equivalência bilíngue francês – português: classes de objeto e estudo de corpus no caso da culinária
Autor(es): Renata Maria Odorissio. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 23/10/2019
Palavra-chave classes de objeto,lingustica de corpus,lexicografia bilngue
Resumo As frequentes críticas dirigidas aos materiais bilíngues alimentam o debate sobre procedimentos metodológicos tradicionais em lexicografia bilíngue. Alguns autores (DURAN, 2008; BEJOINT; THOIRON, 1996) afirmam haver equívoco no emprego exclusivo de definições dicionarizadas na construção dos equivalentes, embora tenha havido crescente uso de ferramentas computacionais na pesquisa lexicográfica. A aproximação entre a Linguística de Corpus (BERBER SARDINHA, 2004) e a Lexicografia tem se estreitado, porém a inclusão de dados estatísticos de candidatos à equivalência, extraídos de corpus, ainda não é imprescindível na pesquisa lexicográfica bilíngue. A construção de um método com aplicabilidade e eficiência testadas passou a uma meta implícita à construção das equivalências. Nosso estudo de caso? Verbos da culinária francesa e brasileira. Quadro teórico-metodológico: Considerando a contribuição da Linguística de Corpus e do modelo de Gaston Gross na descrição das línguas naturais, o emprego dessas vertentes proporcionou maior fiabilidade às descrições dos operadores observados. Gaston Gross (1994) compartimentou a língua francesa em campos semânticos, agrupando seus predicados apropriados – predicados semanticamente relevantes para cada campo lexical. Seu trabalho é experimental (LAPORTE, 2007), ou seja, seu objeto se constituiu de frases teóricas e não de um corpus, diferentemente da nossa proposta. Assim, para o desenvolvimento da análise observacional dos predicados da culinária, foram construídos corpus comparativos, aplicando ferramentas e parâmetros da Linguística de corpus para tanto: construção semiautomática dos corpus de receita; contabilidade das ocorrências; extração das classes – operadores e argumentos; levantamento estatístico dos candidatos a equivalente; elaboração de fichas terminológicas e estatísticas. Verificou-se que é possível associar novos procedimentos às práticas tradicionais da Lexicografia da Lexicografia bilíngue, exclusivamente atreladas aos conceitos aristotélicos definitórios de traço semântico que imprimem nas análises comparativas valores extralinguísticos. Acreditamos que o emprego exclusivo de definições dicionarizadas na busca por equivalentes acaba por gerar lacunas importantes no glossário ou dicionário. O uso de corpus na extração dos candidatos a equivalente funciona como uma lupa, auxiliando a captar sutilezas dificilmente perceptíveis pela definição dicionarizada. Percebemos que a distinção entre refogar e fritar, tampar e cobrir, ferver e aferventar, acrescentar pimenta ou apimentar se evidencia apenas nos predicados: nosso método permitiu visualizar nuances distintivas dos operadores das línguas estudadas.