logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Falta, desejo e transferência no ensino de línguas
Autor(es): Juliana Santana Cavallari. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave ensino de lnguas,necessidades educacionais,desejo de saber
Resumo No contexto educacional atual, tem-se como verdade hegemônica, sócio-historicamente construída e legitimada, que o professor deve moldar sua prática a fim de atender, prontamente, o que o aluno diz desejar ou necessitar, o que, muitas vezes, acaba por destituir o professor de seu suposto saber sobre o que ensina e sobre o modo como ensina, para transformá-lo em objeto do desejo do educando que, por seu turno, busca alcançar um saber totalizante, de preferência sem muito esforço e em pouco tempo. Sem perder de vista as representações imaginárias e os regimes de verdade que governam o processo de ensino e aprendizagem na contemporaneidade, o propósito deste estudo é suscitar questões advindas de noções psicanalíticas como desejo, falta e angústia que se mostram produtivas para problematizar a educação, de modo geral, e o ensino de línguas, mais especificamente. Em suma, pretende-se, através das discussões propostas neste estudo, abordar alguns impasses que se dão no contexto escolar, partindo de um entrelaçamento possível entre a Psicanálise, a perspectiva discursiva e a Linguística Aplicada voltada ao ensino de línguas. Pretende-se, ainda, (re)visitar e (des)construir verdades discursivamente construídas e já naturalizadas que fundamentam o fazer docente, bem como o macrodiscurso hegemônico da educação formal concebida como ‘Ideal’ na atualidade. O corpus de pesquisa foi coletado em um evento de inglês para fins específicos. As discussões propostas foram pautadas nas seguintes perguntas de pesquisa: como suscitar o desejo de saber do aluno se ‘todo’ o saber que o aluno precisa adquirir se apresenta imaginariamente encarnado no professor e nos materiais e recursos didáticos que ele adota? Se nada pode nem deve faltar ao aluno de hoje, como podemos, enquanto educadores, implicar esse aluno na construção de um saber que, segundo a psicanálise e a perspectiva discursiva, é sempre da ordem da singularidade? O percurso teórico-metodológico realizado na presente pesquisa nos permitiu entrever as posições discursivo-enunciativas ocupadas por alunos e professores no contexto educacional atual, a saber: a de aluno-cliente e a de professor-vendedor ou provedor do produto no qual o ensino se transformou. As noções de desejo, necessidades educacionais e falta, do modo como são geralmente concebidas no ato educativo, parecem incidir negativamente no processo de ensino e aprendizagem, sobretudo na elaboração e (trans)formação do saber.