logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Mas vai acabar: análise dialógica de uma cena do filme Durval Discos
Autor(es): Adriana Pucci Penteado de Faria e Silva. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave Embates identitrios,Signo ideolgico,Durval Discos
Resumo Nesta apresentação, o objetivo é evidenciar, numa cena do filme Durval Discos, de Anna Muylaert (2002), os signos ideológicos que refletem e refratam embates discursivos entre identidades de imigrantes nordestinos e as populações das zonas que historicamente receberam fluxos migratórios. A escolha dessa obra fílmica justifica-se pelo período histórico em que se desenvolve a trama fictícia, que é a segunda metade da década de 1990, e pelo tema que emerge do enunciado em sua totalidade: o da transformação de uma sociedade às vésperas do século XXI. Temos como hipótese de trabalho que esse momento representa um marco na subversão das relações de poder entre as elites locais e os imigrantes e seus descendentes. Em Durval Discos, mostra-se a passagem de uma época, representada pelos LPs que o protagonista vende, para outra, representada pelos CDs que seus clientes procuram. O cenário da loja que dá nome ao filme, situado na área conhecida como baixa Augusta, em São Paulo, aponta desde o início para uma decadência física, que culmina com seu desmoronamento no final da história. Dentro da temática dessa passagem de um tempo a outro, para os objetivos desta comunicação, destaca-se a cena que se desenvolve do capítulo2 do DVD (13min e 25s a 14min e 23s). Trata-se de entrevista a uma senhora baiana, candidata à vaga de empregada doméstica na casa de Durval e de sua mãe,que estão dispostos a oferecer a quantia de R$100,00 – valor abaixo do mercado mesmo em 1995, época em que se desenrola a ação. Em cena anterior, uma amiga de Durval afirma que, por esse valor, ele não iria “arrumar nem retirante”. Surge, assim, o primeiro signo verbal marcado ideologicamente pelo embate histórico entre as regiões Sudeste/Nordeste. Na cena da entrevista, que será analisada na apresentação, nota-se que os aspectos verbais e visuais articulam-se na construção de uma carnavalização das relações sociais. Há um corte e essa cena liga-se a outra, em que um cliente de Durval afirma que a época dos LPs vai acabar. No todo da obra, pode-se entender que esse vaticínio aplica-se não só aos LPS, mas a todo um modo de vida. As análises propostas baseiam-se na teoria/análise dialógica que emerge da obra de Bakhtin e dos membros do chamado Círculo bakhtiniano. São centrais as noções de signo ideológico e de carnavalização.