logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: O refinamento da construção do sentido: um estudo das preposições de espaço e movimento em histórias em quadrinhos
Autor(es): Paulo Henrique Duque. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave Semntica Cognitiva,Gramtica de Construo,Preposies
Resumo Muitos estudos cognitivistas explicam o processo de compreensão da linguagem em termos de simulações sensório-motoras. De acordo com essa perspectiva, a compreensão da linguagem ativaria simulações modais internas que permitiriam ao leitor compreender propriedades perceptuais e motoras dos eventos relatados no texto. No entanto, apesar de muitas evidências empíricas, essa perspectiva ainda busca um refinamento suficiente para ser aplicada aos estudos linguísticos; e a linguagem por sua vez é uma ferramenta tão sensível que permite a construção de sentidos de maneiras infinitas. Neste trabalho, pretendemos apresentar os resultados de uma pesquisa sobre o assunto, onde procuramos verificar em que medida a simulação mental pode capturar as sutilezas da linguagem ao conectar conhecimentos linguísticos a experiências sensório-motoras. Em linhas gerais, os resultados demonstraram que a simulação se torna mais detalhada em função de pistas linguísticas fornecidas pelos enunciados e pelos padrões linguísticos analisados em termos de construções gramaticais; e pelas especificações semânticas resolvidas no contexto comunicativo em curso durante a leitura. Como recorte, analisamos preposições de lugar e movimento extraídas de histórias em quadrinhos publicadas em português do Brasil. Como modelo de gramática, recorremos à abordagem corporificada da Gramática de Construções (BERGEN & CHANG, 2005), que nos permitiu identificar os tipos de imagens mentais construídas durante a análise de construções linguísticas de espaço e movimento e como os elementos que compõem esses esquemas se conectam durante a simulação mental. Em termos de metodologia, após o levantamento do corpus, procedemos à identificação dos enunciados que apresentavam preposições de lugar e de movimento, para, em seguida analisarmos de que maneira a ligação entre esquemas de imagem e de execução. Como resultados preliminares, verificamos que o processo de compreensão é incremental: começa assim que o leitor passa a perceber um enunciado; passa por interpretação de ajustes, quando o leitor considera as probabilidades de construção do sentido; e chega a uma interpretação parcial, quando o leitor considera indicadores do contexto comunicativo para, enfim, realizar a simulação mental. Tudo indica que a análise construcional forneça as restrições para determinar que construções e esquemas particulares são relevantes a um dado enunciado e, considerando-se o contexto comunicativo, como tais construções e esquemas se relacionam.