logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: O PAPEL DA MULHER PELO CONTEXTO DE LINGUAGEM EM CRÔNICA DE CHICO BUARQUE
Autor(es): Siomara Ferrite Pereira Pacheco. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 22/10/2019
Palavra-chave crnica,representao,gnero
Resumo Esta comunicação situa-se na área da Análise Crítica do Discurso com vertente sociocognitiva e tem por tema a representação da mulher na crônica do cotidiano de Chico Buarque de Hollanda. Tem-se por objetivo geral contribuir com os estudos sobre o discurso e a representação social em textos da música popular brasileira, consideradas, neste trabalho, crônicas. Tem-se por objetivo específico: examinar a(s) estratégia(s) do autor para enunciar a condição da mulher em um contexto de opressão social de forma a ocultar-se por meio da linguagem poética. Justifica-se a pesquisa na medida em que o texto selecionado foi produzido na época da ditadura militar no Brasil, período em que a censura cerceava a manifestação do ponto de vista sobre temas polêmicos. A fim de driblar a censura, Chico Buarque utilizava a linguagem poética como estilo no contexto de linguagem para manifestar seu ponto de vista em relação à condição da mulher brasileira em seu papel de dona de casa, avaliado como positivo por uma sociedade patriarcal em que o masculino opõe-se ao feminino, mantendo a hegemonia do ponto de vista masculino. Tendo como pressuposto que é por meio da linguagem poética que o autor denuncia a submissão imposta ideologicamente à mulher, verificar-se-ão os valores que se encontram implicitamente enunciados para que se possa compreender a avaliação feita pelo cronista em relação ao marco de cognição social. O material para análise é uma crônica do cotidiano produzida por Chico Buarque em que a mulher é representada como dona de casa. Trata-se do texto intitulado Cotidiano, de cuja análise obtêm-se resultados parciais e estes indicam que as estratégias do sujeito, na construção de textos opinativos, revelam o ocultamento do sujeito enunciador obtido por meio da linguagem. Conclui-se que o contexto de linguagem favorece a manifestação do ponto de vista do cronista, que avalia negativamente o que é considerado positivo pelo marco de cognição da sociedade machista – a condição de mulher submissa, restrita ao espaço privado do lar.