logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Existe fim em marfim? Um estudo da relação de palavras dentro de palavras no acesso lexical
Autor(es): Beatriz de Oliveira Salgado. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 22/10/2019
Palavra-chave Psicolingustica,Acesso lexical
Resumo Este trabalho investigou se, no português brasileiro (PB) assim como no holandês (Van Alphen & Van Berkum, 2010), os ouvintes levam em conta o significado de palavras espúrias que estão inseridas em outras, durante o acesso lexical. Um exemplo deste fenômeno seria a ativação mental da palavra “fé”, mesmo que brevemente, quando o ouvinte se depara com a palavra “café”. Investigar fenômenos como esse é tentar compreender parte da dinâmica que ocorre no acesso lexical em nossa mente. No caso desta pesquisa, perguntamo-nos se o acesso lexical de uma palavra inserida no início de sua palavra portadora (como “lei” em “leite”) ocorre da mesma maneira que uma inserida no final (como “fé” em “café”). Nossa proposta é que esse acesso dar-se-á de maneira não estritamente modular e sim interacional (em termos cognitivos), como em um modelo conexionista. Neste tipo de modelo, como argumenta Leitão (2008), existe uma alta interação entre todos os tipos de informação relevantes para o processamento (como léxico-semântica, contextual, frequência de ocorrência etc.) e essa interação entre informações é o que guia o “caminho” que seguimos no processamento. Inicialmente, buscamos no corpus NILC-São Carlos palavras que contêm outras palavras menores inseridas (doravante, portadoras e inseridas, respectivamente) e anotamos suas frequências. Em seguida, elaboramos um experimento de decisão lexical com estímulos por via auditiva e visual (cross-modal) para avaliar se uma palavra na tela associada à palavra inserida ouvida (como “crença” para “fé”, em “café”) teria um tempo de resposta (RT) diferente de uma palavra sem associação direta nem com a portadora nem com a inserida (como “computador”). Esse resultado indica que o sujeito consideraria também a palavra inserida no acesso lexical da portadora porque a associação da palavra lida com a palavra espúria (inserida) ouvida interferiu na tarefa, modificando o tempo da resposta, em comparação com o caso de uma palavra escrita não associada, que não interfere na tarefa. Como os resultados empíricos, na literatura atual, sobre esse tema ainda não são consistentes, com evidências tanto para efeitos que favorecem o acesso de palavras inseridas como para efeitos que inibem esse acesso (assim como efeitos neutros), nosso estudo fornece mais evidências para se compreender a relação de palavras dentro de palavras no acesso lexical, investigando também a diferença no processamento de inserções de palavras no início e no final de outras palavras, ao comparar os diferentes RTs para cada uma dessas situações. (Apoio: CAPES)