logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Nas mediações editoriais do livro didático: a representação de leitor atribuída ao estudante de educação a distância
Autor(es): LUCIANA RUGONI SOUSA. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave tratamento editorial de textos,ritos genticos editoriais,educao a distncia
Resumo Este trabalho busca uma análise investigativa sobre o imaginário de leitor que o livro didático de educação a distância da SEaD-UFSCar constrói. Dito isso, analisaremos as mediações editoriais realizadas de um lugar possivelmente privilegiado, porém ainda pouco explorado em estudos linguísticos: o do revisor de textos. Os processos de mediação editorial suscitam inquietações, impelindo a refletir sobre a linguagem a partir do lugar ocupado pelos profissionais do texto no processo de produção de um livro. Nesse sentido, partimos do pressuposto de que nessas mediações, ao contrário da perspectiva corrente de que revisar consiste em detectar transgressões nas convenções da norma culta, a perspectiva dialógica nos permite ver os aspectos discursivos do texto, em que o revisor analisa nos enunciados as relações de sentido, o endereçamento do texto, a alternância dos sujeitos do discurso. Com isso, entendemos que o trabalho dos profissionais do texto configura também um olhar outro importante, que participa do movimento de ocupação do lugar de leitor – trata-se de um “leitor profissional” – e ao mesmo tempo de um lugar de autor – trata-se de um “co-enunciador editorial”. Pretendemos, assim, analisar discursivamente, nos processos de edição da SEaD-UFSCar, manobras editoriais fundamentalmente linguísticas, nas quais se produz a imagem do leitor estudante. Para tanto, focalizaremos os materiais da disciplina de língua portuguesa, oferecida aos cinco cursos de graduação implantados. Dessa perspectiva, notamos uma complexidade, quando um sujeito incide sobre o enunciado do outro colocando no embate diferentes concepções de língua, estilo, público, tendo em vista que cada sujeito se apropria dos discursos de maneiras distintas, do lugar que o institucionaliza. Logo, parece-nos que os registros das trocas entre revisor e autor trazem à tona conflitos que estão diretamente “ligados ao laço social que a língua reflete e refrata”, como discute J.S. Muniz Jr. Posto isso, visando a um melhor entendimento do trabalho realizado pelos profissionais encarregados de dar tratamento editorial aos textos, bem como a contribuir para a produção dos livros de EaD, nossa pesquisa tem base nas propostas teóricas de D. Maingueneau formuladas no quadro da análise do discurso de tradição francesa, e na filosofia da linguagem de M. Bakhtin. Examinamos, com essa fundamentação, o que L.S. Salgado refere como ritos genéticos editoriais, investigando, no processo editorial, o encontro das várias vozes que constituem a imagem de leitor atribuída ao estudante de EaD.