logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: A grafia de palavras hipersegmentadas em textos produzidos nos anos finais do Ensino Fundamental
Autor(es): Lilian Maria da Silva. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 14/10/2019
Palavra-chave Hipersegmentao,Palavra escrita,Conveno ortogrfica
Resumo Com esta comunicação temos o objetivo de apresentar os resultados parciais de uma pesquisa de mestrado em desenvolvimento, cujo propósito é analisar registros das fronteiras de palavras, quando há a presença não convencional do limite gráfico – hipersegmentação – como em: “contra bando” (para a grafia convencional “contrabando”) e “estava-mos” (para a grafia convencional “estávamos”). Assim como Tenani (2009, 2010, 2011a) e Tenani e Paranhos (2011) privilegiamos, nesse estudo, os dados de escrita do Ensino Fundamental II (sexto a nono anos, na denominação atual – quinta a oitava séries, na época da coleta dos textos), quando grande parte da literatura especializada sobre o tema investiga os dados produzidos na escrita inicial de crianças (cf. Chacon, 2004, 2005; Cunha, 2004; Capristano 2004, 2007a, dentre outros). Cabe lembrar, que segundo o Parâmetro Curricular Nacional de Língua Portuguesa (1997), alunos dos anos finais da etapa fundamental de formação já devem utilizar os recursos de segmentação gráfica das palavras de modo convencional. Nesse aspecto, buscamos investigar as hipóteses linguísticas, pelas quais ainda transitam os escreventes nessa etapa do Ensino Fundamental, e argumentar que a instabilidade da noção de palavra não se reduz ao universo gráfico e tampouco tem sua aquisição findada no período da alfabetização. O córpus de investigação é 268 textos produzidos por 12 alunos durante os quatros últimos anos do Ensino Fundamental. Os textos foram coletados nos anos letivos de 2008 a 2011, em uma escola pública da cidade de São José do Rio Preto, interior paulista, e pertencem ao Banco de Dados de Escrita do Ensino Fundamental II, originado a partir de um Projeto de Extensão Universitária (“Oficinas de Leitura, Interpretação e Produção Textual” – PROEx/UNESP). Ao todo foram identificadas 111 ocorrências de hipersegmentação, sendo 104 pela alocação não convencional do espaço em branco e 7 pela presença não convencional do hífen. Para a análise dos dados fundamentamo-nos: (i) em uma concepção de escrita como modo de enunciação, que se constitui heterogeneamente nas práticas sociais do oral/falado e do letrado/escrito (Côrrea, 2004); (ii) em um modelo de Fonologia Prosódica, de acordo com os princípios de Nespor e Vogel (1986); (iii) em trabalhos que discutem a complexidade linguística na definição do conceito de palavra (Vigário, 2003; Boop da Silva, 2010; Toneli, 2009). (Apoio: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo/FAPESP – Proc. 2012/11869-5).