logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Prosódia e hipersegmentação de palavras
Autor(es): Luciani Ester Tenani. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 14/10/2019
Palavra-chave fonologia,palavra,ortografia
Resumo Este trabalho trata das chamadas hipersegmentações de palavras, que se caracterizam por haver uma fronteira gráfica (grafada por meio de branco ou hífen) dentro dos limites de palavra onde não é previsto pela ortografia, como “em bora”, “chama-da”. Por meio da análise desses dados, identificamos motivações advindas de informações letradas como, por exemplo, a grafia (entre espaços em branco) de preposições, artigos (“de volvido”, “o portunidade”), por um lado, e a colocação do hífen em estruturas verbais enclíticas (como “apresenta-se”), por outro lado. Somadas às informações letradas, verificamos motivações advindas de informações de natureza prosódica – como, por exemplo, a configuração do pé métrico em português (“conhe cido”) – e de natureza morfossintática – como, por exemplo, a configuração dos compostos em português (“tarde sinha”, “ante penúltimo”). No estudo que temos conduzido, mostramos como essas características linguísticas são recorrentes no córpus investigado. Nesta comunicação, tratamos de dados cujas características, no que diz respeito à localização dos pontos de segmentação não convencional, não são as mais recorrentes em relação ao mesmo conjunto de dados considerado, como “adicio o na”. Esses dados foram selecionados de um córpus composto por 1768 dados de segmentações não convencionais de palavras os quais ocorreram em 2469 textos de alunos que, à época da coleta, cursavam as quatro últimas séries do ensino fundamental em uma escola pública paulista. Partimos da hipótese de que a organização prosódica da língua (tal como proposta no modelo de Nespor e Vogel, 1986), e, particularmente, a constituição dos domínios prosódicos frase entoacional e enunciado fonológico no português brasileiro (Tenani, 2002 e Fernandes-Svartman, 2007), motiva, em certa medida, os dados analisados. Desse modo, as presenças do hífen ou do espaço em branco dentro dos limites da palavra gráfica é interpretada como representações da percepção, por parte do escrevente, de saliências prosódicas, de natureza rítmica e entoacional, as quais contribuem para a construção das relações de sentidos do seu texto. Esta proposta de análise de dados de escrita é fundamentada em uma concepção teórica sobre a relação fala/escrita segundo a qual é possível observar, nos dados de escrita, evidências da organização prosódica da língua que também se mostra por meio dos dados de fala. (apoio: FAPESP 2009/14.848-6 e CNPq 306.471/2009-4)