logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: A cena argumentativa no discurso literário: estudo de uma novela amadiana
Autor(es): Eduardo Lopes Piris. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 14/10/2019
Palavra-chave Discurso Literrio,Argumentao,Cena enunciativa
Resumo Nesta comunicação, teceremos algumas considerações sobre a natureza da argumentação no discurso literário, focalizando o papel da cena de enunciação argumentativa na construção do posicionamento ideológico do sujeito-autor da obra literária, especificamente a novela amadiana “A morte e a morte de Quincas Berro Dágua” (1961). Com base em Amossy (2010), entendemos que a obra literária possui uma dimensão argumentativa, no sentido de que, nela, as teses – tanto as de ordem ideológica que incidem sobre os temas abordados, quanto as de ordem estética, relacionadas às escolas literárias – são apresentadas de maneira implícita ao leitor. E, ao lado dessa dimensão argumentativa, há ainda a argumentação que se manifesta nas vozes das personagens nos gêneros prosaicos (conto, novela, romance etc.), as quais apresentam uma intenção explícita de convencer umas às outras, configurando o que Amossy chama de visada argumentativa. É a relação entre enunciado e enunciação o que atribui à obra literária uma peculiaridade argumentativa que extrapola a dicotomia dimensão vs intenção argumentativa formulada por Amossy, pois o que a obra literária apresenta é um simulacro argumentativo, que é projetado por meio de uma cena de enunciação argumentativa. Entendemos, ainda, que essa cena argumentativa é projetada não somente por meio da simulação de uma argumentação entabulada por duas ou mais personagens (vozes delegadas pelo narrador), mas também pela simulação do monólogo interno. Desse modo, estudaremos, de um lado, a argumentação entre as personagens, que se manifesta por meio do discurso direto (uma das formas do discurso citado), considerando, nesse bojo, as apreciações valorativas lançadas pelo narrador (discurso citante), e, de outro lado, a argumentação empreendida pelas personagens consigo mesmas, que se manifesta no fio discursivo por meio do discurso indireto livre. Partindo do pressuposto de que as vozes das personagens e do narrador são projetadas na obra como simulacros de vozes sociais, ideológica e historicamente situadas, o foco do nosso estudo volta-se, portanto, para os efeitos argumentativos derivados da inter-relação entre discurso citante e discurso citado e entre discursos citados, bem como para o papel que essa interdiscursividade argumentativa desempenha na construção da identidade discursiva da obra literária, uma vez que, ao projetar a grade axiológica da obra, a cena argumentativa na obra literária ocupa papel relevante na construção das filiações sócio-históricas de identificação (cf Pêcheux) do sujeito-autor da obra literária.