logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Práticas de linguagem em escolas da rede pública: desafios frente ao “novo”
Autor(es): Dulce Cassol Tagliani. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave prticas de linguagem,professor,ensino fundamental
Resumo Em função de um histórico distanciamento entre universidade e escola, muitos problemas relacionados à escolarização da língua, da linguagem e de determinadas práticas sociais resultam da própria formação dos professores, uma vez que novas alternativas de ensino de língua materna não chegam até os bancos escolares. Nesse sentido, inseridos na perspectiva teórica da Linguística Aplicada e considerando as proposições de autores como Marcuschi (2003, 2005), Reinaldo (2005) Bezerra (2005) e Dionisio (2005), assim como as orientações das Diretrizes Curriculares Nacionais e dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), nossa proposta de pesquisa toma como escopo as práticas pedagógicas dos docentes da rede escolar de ensino fundamental, com o propósito de que um diagnóstico das dificuldades e necessidades dos professores em relação ao processo de ensino e aprendizagem de língua materna possa refletir produtivamente no processo de letramento do aluno – considerando que cabe ao professor estabelecer atividades que possibilitem aos alunos a apropriação das múltiplas linguagens envolvidas no ensino e aprendizagem de língua materna. Objetivamos, basicamente, diagnosticar as dificuldades e necessidades dos professores de português do ensino fundamental com relação às práticas de trabalho com as múltiplas linguagens em sala de aula. Com base nesse propósito, realizamos entrevistas com os professores envolvidos e observações das práticas de sala de aula. Os resultados indicam que a maioria dos professores encontra dificuldades com relação a uma prática que extrapole os limites da reprodução gramatical. Práticas de análise linguística não são comuns. Além disso, as dificuldades teóricas envolvendo novas perspectivas de trabalho, como a consideração dos gêneros discursivos como objeto de ensino, são notórias, o que evidencia a necessidade constante de formação continuada. Percebe-se um visível descompasso entre a perspectiva teórica que embasa a prática docente e os pressupostos teóricos que embasam documentos oficiais, como os PCNs, por exemplo, ainda pouco conhecidos da escola. Destaca-se, também, a resistência dos estudantes em participar de forma ativa de práticas de leitura e escrita no ambiente escolar.