logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: O silêncio no discurso sobre o gaúcho na imprensa gaúcha em tempos de(s)censura (1964-1989)
Autor(es): George Uilian Monteiro. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 22/10/2019
Palavra-chave Discurso jornalstico,Censura,Gacho
Resumo Filiado à escola francesa de Análise de Discurso (AD), o presente trabalho apresenta questões que estão sendo investigadas em dissertação de mestrado no programa de pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Santa Maria. Buscamos analisar o discurso jornalístico sobre o gaúcho em tempos de(s)censura (1964-1989), considerando que a sobreposição de um sentido hegemônico (seja a afirmação do mito ou o processo de negação desse) para essa figura identitária do sul do Brasil acaba por produzir um efeito de silenciamento a outros sentidos que estão aí, também em movimento. É necessário esclarecer que o trabalho não ficará preso a uma temporalidade linear do período delimitado, mas sim ao movimento dos sentidos – os efeitos metafóricos presentes na materialidade discursiva do(s) objeto(s). Para a construção do arquivo de pesquisa da dissertação serão selecionadas sequências discursivas de jornais publicados no Rio Grande do Sul, onde vamos procurar identificar as regularidades – os excessos, as repetições, as faltas. Já no tocante ao trabalho que ora apresentamos, traremos à baila um exemplo que envolva processos discursivos de produção de sentidos no que é dito e no que não é dito, privilegiando as noções de discurso e de silêncio. Partindo das considerações de Michel Pêcheux – um dos precursores da hoje chamada AD – temos por objeto o discurso, “efeitos de sentido entre interlocutores”. Apesar de trabalhar conceitos relacionados diretamente com a psicanálise (imaginário, real e simbólico), a análise de discurso toma essas noções objetivamente, ou seja, na sua relação com a ideologia, com a determinação histórica. Além dos trabalhos desses primeiros teóricos dessa escola, podemos indicar Eni Puccinelli Orlandi como figura atuante nos desdobramentos que esses estudos têm realizado aqui no Brasil. É em seu trabalho As formas do silêncio (1992) que encontramos dois conceitos que julgamos essenciais em nosso trabalho: o silêncio fundante e a política do silêncio (silenciamento – mencionado anteriormente). O primeiro, espaço entre as palavras, “é fundamento necessário ao sentido” (ORLANDI,1992). O segundo – o silenciamento, de forma direta, pode corresponder à situação de censura, quando há “a interdição da inscrição do sujeito em formações discursivas determinadas” (ORLANDI, 1992). Devemos lembrar que, quando desenvolvendo o dispositivo analítico específico do trabalho (desafio próprio à AD), realizamos um “movimento pendular”, da teoria para a análise e da análise para a teoria, re-significando não apenas o objeto de análise, mas também essas noções teóricas mobilizadas.