logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Credibilidade em um gênero de discurso: o sermão
Autor(es): EMILSON JOS BENTO. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 22/10/2019
Palavra-chave Ethos,SERMO,CREDIBILIDADE
Resumo Esta pesquisa tem por objetivo analisar o processo de construção dos ethé de credibilidade no gênero discursivo sermão. Nosso corpus é formado por trinta e oito sermões de Agostinho de Hipona. Ainda que estes sermões sejam retirados de três obras de Agostinho (Tractatus in Iohannis Evangelium, Enarrationes in Psalmos e In Iohannis Epistulam ad Parthos Tractatus decem), foram agrupados por serem aqueles que mais claramente nos permitem analisar as estratégias argumentativas e discursivas de Agostinho na controvérsia com o donatismo. Esta controvérsia participa do processo de constituição de dogmas no discurso religioso católico. Conforme Maingueneau (2000), esta peculiar legitimação do discurso configura e afeta o ethos do enunciador (pregador), que se investe de uma identidade e autoridade manifestadas no discurso e capazes de dar sentido às práticas de uma coletividade. Surge então, como afirma Amossy (2011), um ethos institucional: a eficácia do enunciado não depende do que ele enuncia, mas daquele que a enuncia e do poder do qual ele está investido aos olhos do auditório. Além disso, o pregador exerce o papel de mediador autorizado da palavra de Deus, assumindo um ethos “inspirado”, como fiador do sentido autorizado pela Tradição. Por fim, estando o ethos crucialmente ligado ao ato de enunciação, não se pode, contudo, ignorar que o público constrói também representações do ethos do enunciador antes mesmo que ele fale, estabelecendo uma distinção entre ethos discursivo e ethos pré-discursivo. Sem deixar de considerar que o ethos é praticamente a mais importante das três provas engendradas pelo discurso, conforme a Retórica de Aristóteles, sendo ele propriamente “ethos discursivo” na Análise do Discurso, interrogamos a pertinência dos conceitos ethos projetivo, utilizado por Meyer (2007), ethos institucional e ethos inspirado na análise do discurso religioso. Entendemos, como afirma Auchlin (2001), que a noção de ethos é uma noção com interesse essencialmente prático, e não um conceito teórico claro. Ela torna-se operacional quando mobilizada dentro de uma disciplina para analisar uma problemática oriunda do corpus em questão. Os fundamentos teóricos e metodológicos utilizados nesta pesquisa tem como base a obra de Maingueneau (1987, 2002, 2005) no que se refere à análise de discursos constituintes e à sua preocupação em integrar o ethos retórico à Análise do Discurso (AD) e de Patrick Charaudeau (2006, 2010). Ao considerarmos o ethos na perspectiva da retórica clássica, partimos dos postulados de Aristóteles e das neo-retóricas, abrangendo os estudos de Perelman, Olbrechts-Tyteca, Meyer, Plantin e Mosca.