logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: A função-autor e a construção imaginária da unidade do texto na página digital
Autor(es): LUCIMAR LUISA FERREIRA. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave Blogs,textualizao,funo-autor
Resumo Representando as novas configurações da escrita na rede (internet), o blog é um espaço no qual a autoria pode ser constituída. De acordo com Orlandi (2001) os gestos de autoria são fundados nos efeitos de fim e de fechamento do texto, ou seja, na ilusão da completude e da unidade. Nesse caso, embora a rede seja espaço de heterogeneidade, fluidez e transbordamento dos sentidos, no blog, o sujeito, no exercício da função-autor, constrói bordas imaginárias e cria fechos para o seu dizer, para o seu texto. Nessa perspectiva, embora ainda pouco discutida, a autoria num blog é um aspecto relevante que constitui o seu funcionamento. Neste trabalho, desenvolvo uma discussão sobre autoria constituída a partir das novas práticas de textualização em blogs, entendendo que as ferramentas de postagens disponíveis na rede proporcionam ao internauta uma maneira diferente de legitimação de seu dizer e, com isso, uma nova forma de se constituir autor na/pela rede. Sendo assim, o objetivo do trabalho é compreender os processos discursivos de constituição da autoria em suporte digital, tomando como recorte de análise a textualização em blogs pessoais de autores indígenas. Na tentativa de entender o que é ser autor a partir das novas condições de produção da rede digital, parto da noção discursiva de autoria formulada por Orlandi (1999, 2001, 2007) através de um deslocamento do conceito de função-autor de Foucault. Para Orlandi (2001, p. 139), à diferença de Foucault, que liga a função-autor à obra, há função-autor desde que haja um sujeito que se coloca (imaginariamente) na origem do dizer produzindo efeitos de coerência, não-contradição, progressão e fim. A autoria, nessa perspectiva, é tratada no enfoque da textualização, sendo o texto considerado como uma “peça” no sentido de engrenagem, que tem um jogo que permite o trabalho da interpretação e do equívoco. O texto é uma dispersão de sentidos e a função-autor é a dimensão do sujeito, que trabalha permanentemente na contenção dessa dispersão. O corpus do trabalho é formado por diferentes materiais coletados em quatro blogs pessoais de lideranças indígenas.