logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: A presença do espanhol no papiamentu: uma análise sincrônica.
Autor(es): Manuele Bandeira de Andrade Lima, Shirley Freitas Sousa. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 22/10/2019
Palavra-chave Papiamentu,Espanhol,Emprstimos recentes
Resumo O espanhol desempenhou um papel relevante na formação do papiamentu, contribuindo com boa parte de seu vocabulário básico (cf. MADURO, 1966; BIRMINGHAM, 1970; FREITAS, 2012). Assim sendo, esta apresentação tem por objetivo investigar se o espanhol ainda hoje fornece empréstimos para o papiamentu e, em caso positivo, analisar as alterações e adaptações estruturais ocorridas no processo de nativização desses empréstimos. Essa temática torna-se relevante na medida em que contribui para as discussões acerca do vocabulário de étimo “ibérico” no papiamentu, aprofundando os conhecimentos sobre o processo de adaptação de empréstimos deste étimo para o papiamentu. Para a análise, foi formado um corpus a partir de palavras incorporadas ao papiamentu a partir da segunda metade do século XX, pertencentes aos campos de Esporte, Política, Economia, Tecnologia e Desenvolvimento (BANDEIRA, 2013). Com a análise dos dados, pôde-se observar que o espanhol continua fornecendo muitos vocábulos para o papiamentu, sendo a língua fonte de 253 palavras de um total de 892 (o equivalente a 28,3%). É o caso, por exemplo, de adiestradó ‘treinador’ (< adiestrador, a) e buèltu ‘troco’ (< vuelto). Há ainda casos em que a língua emprestadora pode ser tanto o espanhol como o português, já que as duas línguas compartilham a mesma forma e significado. Isso ocorreu em 354 vocábulos (39,6%), como se vê em defensor ‘zagueiro’ (< defensor) e informe ‘notícias’ (< informe). Em todos os campos lexicais pesquisados, constata-se que o espanhol e o português foram as línguas fontes das quais o papiamentu tomou mais itens lexicais de empréstimo. Essa preponderância do espanhol pode ser melhor entendida devido à própria proximidade com o mundo espanhol e por causa dos fortes laços comerciais com a Venezuela. Quanto ao processo de nativização, observou-se que as mudanças foram regidas pelos padrões e restrições morfofonológicos do papiamentu, tendo sido encontrados processos como: (i) apagamento do final dos infinitivos e das palavras terminadas em : invertí ‘investir’ (< invertir) e entrenadó ‘treinador’ (< entrenador); (ii) ensurdecimento, como em kontabilidat ‘contabilidade’ (< contabilidad) (já que o papiamentu não permite obstruintes vozeadas na coda); (iii) palatalização: vota[S]on ‘votação’ (< vota[Tj]ón); (iv) oclusivização: a[b]ishon ‘aviação’ (< a[B]iación), entre outros. Em suma, com esta apresentação, pretendemos destacar a importância do espanhol na sociedade curaçolenha atual no tocante à incorporação de novas palavras e o fato de que, ao entrarem no papiamentu, essas palavras do espanhol sofrem alterações a fim de se adaptarem ao sistema da língua.