logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: A renovação lexical em línguas correlatas e o surgimento de cognatos “falsos” ou “enganosos”: armadilhas para a tradução
Autor(es): Marilei Amadeu Sabino. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave renovao lexical,falsos cognatos,lnguas correlatas
Resumo A renovação do léxico das línguas, conseqüência da morte de palavras que caem em desuso, do surgimento de novos vocábulos, bem como da mudança de sentido de outros, é constante nas línguas naturais. É interessante observar as diferenças de sentido que itens lexicais semelhantes (que possuem o mesmo étimo), de diferentes idiomas, assumem ao longo do tempo. Esse complexo processo é bem compreendido especialmente quando o léxico das línguas é estudado em uma perspectiva diacrônica. Vários teóricos se propuseram a esclarecer algumas causas ou circunstâncias que podem contribuir para a ocorrência deste fenômeno, o qual tem favorecido a evolução da semântica lexical das línguas, dentre os quais, Meillet (1948), Ullman (1977), Preti (1977) e Rohlfs (1979). Neste sentido, com base em algumas considerações feitas por Ullman (1977), Rohlfs (1979) e Garcia (2010), propomos investigar unidades lexicais formalmente semelhantes, pertencentes a diferentes línguas estrangeiras, que apesar de terem tido a mesma origem (serem cognatas), seus sentidos desviaram-se consideravelmente dos significados originais que elas possuíam outrora. A título de exemplo, ilustramos com os itens lexicais do inglês e do italiano, respectivamente: “assist x assistere”; “attend x attendere”; “argument x argomento”; “apology x apologia”; “camera x camera”; “cucumber x cocomero”; “fabric x fabbrica”; “factory x fattoria”; “firm x firma”; “journal x giornale”; “library x libreria”; “magazine x magazzino”; “parent x parente”; “preservative x preservativo”; “pretend x pretendere”; “vacancy x vacanza”, para citar apenas alguns. Apesar de o inglês não pertencer ao tronco linguístico das neolatinas, como é o caso do italiano, aquele idioma também sofreu influência românica. Um outro objetivo desta investigação é estabelecer uma distinção entre vocábulos que são verdadeiramente