logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Síncope em proparoxítonas: um estudo comparativo entre o PB e o PE
Autor(es): Danielle Kely Gomes. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave sncope,vogal tona no final,proparoxtonas
Resumo O vocalismo postônico não final esteve por muito tempo à margem dos estudos fonéticos/fonológicos do português, em função de seu contexto de realização: a primeira vogal átona dos vocábulos proparoxítonos, o padrão acentual menos produtivo da língua. O contexto postônico não final é bastante particular, pois, além dos fenômenos de neutralização, nota-se ocorrência do apagamento da vogal. Este trabalho busca contribuir para a descrição desse contexto átono, ao focalizar o apagamento da vogal postônica não final, fenômeno que leva a regularização de vocábulos proparoxítonos ao padrão acentual paroxítono (árvore > arvre, cócegas > cosca, pétala>petla, sábado>sabu), em dados extraídos de amostras de fala representativas das variedades brasileira e europeia. Com o apoio dos princípios teórico-metodológico da Sociolinguística Laboviana (LABOV, 1972, 1994), tomou-se por hipótese que o fenômeno, atuante desde o latim, também é produtivo nas duas variedades, condicionado por fatores linguísticos – sobretudo os ligados ao contexto fônico adjacente à vogal –, e também por condicionantes sociais. Neste trabalho, o objetivo é investigar a produtividade do processo de apagamento da vogal postônica não final no português brasileiro e no português europeu e observar como as consoantes adjacentes à vogal átona não final condicionam ou refreiam a ocorrência do fenômeno. Analisaram-se 138 entrevistas, selecionadas dos acervos dos projetos NURC-RJ (Norma Urbana Oral Culta do Rio de Janeiro), PEUL (Programa de Estudos sobre o Uso da Língua), APERJ (Atlas Etnolinguístico dos Pescadores do Estado do Rio de Janeiro) e do Projeto Estudo comparado dos padrões de concordância em variedades africanas, brasileiras e europeias do Português (para os dados do Português Europeu), em um total de 3316 dados. A análise variacionista revela que a queda da vogal postônica não final é favorecida quando é licenciada fonotaticamente a ressilabificação das consoantes a ela adjacentes. Entretanto, no que tange à correlação entre os fatores linguísticos e os sociais, notam-se diferenças consideráveis entre o português brasileiro e o português europeu, já que nesta variedade a atuação de variáveis sociais não é relevante. Nos dados do português brasileiro, os condicionamentos sociais e linguísticos interagem de forma mais contundente.