logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: ESTRATÉGIAS DE PERSUASÃO PELO VIÉS DA SEMIÓTICA TENSIVA: ANÁLISE SEMIÓTICA DA CARTA AO PAI, DE KAFKA
Autor(es): RICARDO MOTA HIGA. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 14/10/2019
Palavra-chave Semitica,Tensividade,Literatura Universal
Resumo Considerando que o objetivo fundamental de todo discurso é persuadir o enunciatário, este trabalho tem por objetivo compreender o processo de construção dos sentidos na obra Carta ao pai, do escritor tcheco Franz Kafka, explicitando-se algumas estratégias de persuasão utilizadas pelo enunciador. Serão realizadas análises de trechos dessa obra tendo como procedimento metodológico o emprego de conceitos advindos da teoria semiótica, sobretudo da perspectiva tensiva, vertente mais atual dessa semiótica discursiva. Utilizaremos como referência principalmente os trabalhos de Fontanille e Zilberberg, além de teóricos vinculados à vertente padrão, como Greimas e Courtés. Segundo os princípios da semiótica tensiva, a intensidade possui primazia sobre a extensidade; sendo esta da ordem do inteligível e aquela da ordem do sensível. A tensividade situa-se na junção entre a intensidade e a extensidade e, desse encontro, são estabelecidas relações entre os dois eixos que podem ser uma correlação conversa em que o “mais” em um eixo corresponde a um “mais” no outro, ou um “menos” em um dos eixos corresponde a um “menos” no outro; a correlação inversa corresponde a um “mais” em um dos eixos com um “menos” no outro eixo e vice-versa. Dessas correlações, podemos estabelecer e visualizar as relações entre tempo e intensidade, acontecimento e rotina e as gradações da afetividade, por exemplo. Nos aspectos relacionados ao tempo, pretendemos articular nossa análise com algumas considerações do filósofo e crítico literário Günther Anders, acerca das características das obras kafkanianas. Sobre a obra que analisamos, Carta ao pai, convém lembrar que foi escrita em 1919 mas publicada somente em 1950, uma vez que Max Brod, amigo e testamentário de Kafka, hesitou em publicá-la, até essa data, por considerá-la como um documento pessoal do autor. Dada a relevância de Kafka para a literatura mundial e as particularidades de sua linguagem, este trabalho justifica-se por ainda não serem comuns análises dessa obra sob o ponto de vista teórico visado. Como resultado possível, pretendemos evidenciar as relações tensivas presentes no texto kafkiano, no que tange aos aspectos das paixões, das formas de vida, dos modos de existência e do acontecimento, utilizadas como estratégias argumentativas e persuasivas.