logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: UM HABITUS PARA A TRADUÇÃO DA MESTIÇAGEM BRASILEIRA DE DARCY RIBEIRO EM LÍNGUA INGLESA: ESTUDO BASEADO NO CORPUS DAS OBRAS O POVO BRASILEIRO E THE BRAZILIAN PEOPLE
Autor(es): Talita Serpa. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 14/10/2019
Palavra-chave Estudos da Traduo Baseados em Corpus,Habitus Tradutrio,Mestiagem
Resumo Com o propósito de investigar o habitus tradutório no tocante ao conceito de “mestiçagem” proposto pelo antropólogo Darcy Ribeiro, analisamos um corpus paralelo composto pela obra O povo brasileiro (1995) e pela respectiva tradução para o inglês, realizada por Rabassa. Para tanto, adotamos o arcabouço dos Estudos da Tradução Baseados em Corpus (BAKER, 1993, 1995, 1996, 2000), da Linguística de Corpus (BERBER SARDINHA, 2004) e, em parte, da Terminologia (BARROS, 2004). Utilizamos, ainda, trabalhos de Sociologia da Tradução (SIMEONI, 1998, 2007; GOUANVIC, 1995, 1999), e o conceito de habitus, formulado por Bourdieu (1980). A metodologia utilizada requereu o uso do programa WordSmith Tools, o qual nos proporcionou os recursos para o levantamento e análise dos dados. Quanto às escolhas de Rabassa, os resultados obtidos mostraram que o tradutor realizou aproximações e distanciamentos para descrever a miscigenação brasileira, principalmente por meio da utilização de empréstimos da Língua Fonte para Língua Meta; e do emprego de traduções literais. Podemos citar, como exemplos de empréstimos usados no texto traduzido, termos como: banda-forra; curiboca; e terceirão. Como exemplos de traduções literais, podemos destacar: “mulata”  mulatto woman; “mulato”  mulatto; e “pardo”  Brown. No tocante às expressões, apresentamos os seguintes exemplos: “brasilíndio mestiço”  brazilindian mixed; “mestiços livres”  free mulattos; e “população mestiça”  mixed-blood population. Partindo da terminologização das ideologias de Darcy Ribeiro, observamos a formulação de um habitus que circunscreve o uso de termos voltados à mistura racial brasileira, assim como verificamos quais os fatores observados pelo tradutor para compor seus próprios comportamentos. O uso da Linguística de Corpus contribuiu para as análises de cunho teórico-prático, além de ter permitido o reconhecimento das diferentes escolhas lexicais dotadas de distintos sentidos sociais, o que representa uma tendência no comportamento tradutório em obras voltadas ao estudo da formação do “povo brasileiro mestiçado”.