logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: A COLETA DE CORPUS DE APRENDIZES: QUESTÕES QUALITATIVAS EM UMA PESQUISA SOBRE A ESCRITA DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA
Autor(es): Celso Fernando Rocha. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 22/10/2019
Palavra-chave Lingustica de Corpus,Corpus de aprendizes,Lngua Espanhola
Resumo O mapeamento do conjunto lexical presente em um corpus de aprendizes e a identificação de dificuldades mais comuns enfrentadas por graduandos de língua espanhola – ao empregarem o léxico e a gramática em LE nos seus textos – oferecem subsídios para o direcionamento mais adequado do foco instrucional, ou seja, aulas com maior atenção dada às subáreas nas quais os aprendizes apresentem maiores dificuldades, levando em consideração suas necessidades reais. Nesse sentido, este trabalho tem como norte a compilação de um corpus de redações de alunos de dois cursos universitários de nível superior (Licenciatura em Letras e Bacharelado em Letras), com vistas ao estudo do emprego do léxico mais frequente. Com relação ao aporte teórico-metodológico, recorremos aos subsídios fornecidos pela Linguística de Corpus (BERBER SARDINHA, 2004), e as pontuações de autores que pesquisam a elaboração de corpus de aprendizes (GRANGER, 2002 e LAVID, 2005). Foram coletadas 400 redações (aproximadamente 120 mil palavras) no período de agosto de 2011 a dezembro de 2012. Posteriormente, a pesquisa contou com o auxílio do programa de computador WordSmith Tools (versão 5.0) e suas ferramentas WordList, KeyWord e Concord para o levantamento dos dados estatísticos. Além do instrumental propiciado pelo WordSmith Tools, utilizamos anotações de campo sobre as correções efetuadas. Para estabelecer contraste entre os textos compilados e uma norma, consultamos o Corpus da Academia Real Espanhola. Primeiramente, trataremos de algumas dificuldades enfrentadas pelos alunos e pelo docente durante o processo de constituição do corpus, como, por exemplo: a) não organização textual adequada em processador de texto e falhas na criação/transferência de arquivos, b) problemas de segmentação textual, c) uso de dicionários e seleção lexical inadequados, d) não gerenciamento do prazo de entrega, e) recusa na confecção dos textos por parte do aluno, e, f) redações com número baixo de palavras. Cabe mencionar que tais fatores demandaram tempo para serem conduzidos e resolvidos. No que diz respeito aos aspectos lexicais e gramaticais, pudemos, além de trabalhar em sala essas questões estruturais, compreender e refletir mais detidamente o que é efetivamente igual, o que parece igual e as diferenças nos níveis léxico/semântico e morfológico/sintático entre os dois idiomas, a partir dos textos do corpus. Tal metodologia adotada ajudou consideravelmente no estabelecimento de uma agenda de trabalho docente atenta às necessidades reais dos aprendizes.