logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: A memória que é construída e evocada sobre os idosos nos livros didáticos de línguas
Autor(es): Eliane Righi de Andrade. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave velhice,livros didticos,ensino de lnguas
Resumo Este trabalho tem como objetivo geral problematizar algumas representações sobre idosos que emergem da análise dos livros didáticos destinados ao ensino de língua (português e inglês) no ensino básico e que são constitutivas do imaginário social de alunos e professores, determinando modos de se ver o idoso na sociedade e contribuindo para a constituição das identidades vigentes na contemporaneidade. Partimos do pressuposto de que o livro didático, ao se constituir ainda como um dos recursos pedagógicos mais utilizados em sala de aula para o ensino de línguas, sendo que sua distribuição gratuita para as escolas públicas é inclusive atribuição do Programa Nacional do Livro Didático, está em relação direta com a constituição da subjetividade, via representações que nele circulam e são disseminadas aos sujeitos aprendizes e professores. Além disso, destacamos como relevância neste estudo que o envelhecimento da sociedade brasileira é um processo com o qual precisamos aprender a lidar, construindo novas formas de encarar a velhice, buscando formas outras de interpretar o que seja envelhecer, partindo para a elaboração de novos efeitos de sentido do que é disseminado pelos diferentes discursos hegemônicos que nos constituem. Nosso foco, neste estudo, será a discussão sobre como a imagem do idoso na atualidade aparece associada à construção de uma memória discursiva. Apoiaremo-nos teoricamente nos estudos da Análise do Discurso, da Desconstrução e em conceitos da Psicanálise que se relacionam aos processos de constituição da memória e da memória discursiva. Utilizaremos, ainda, a Análise do Discurso como dispositivo metodológico na interpretação de recortes discursivos extraídos de livros didáticos que vierem a constituir o corpus, associando a materialidade linguística à produção de sentidos. A análise das imagens selecionadas parece sugerir que o idoso é (re)apresentado como responsável pela construção de uma memória discursiva, ao mesmo tempo, pela sua manutenção e disseminação, o que o valoriza em relação a um tempo passado, mas que silencia os processos subjetivos que o atravessam no momento presente e que implicam em novos processos identitários.