logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: A EXPRESSIVIDADE DO SUFIXO “-INHO” NA OBRA VIDAS SECAS
Autor(es): MARIA DA GRAA DE SOUZA. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 23/10/2019
Palavra-chave Lxico,Estilstica,Vidas secas
Resumo Este trabalho é parte de um estudo mais amplo acerca da obra “Vidas secas” de Graciliano Ramos, cujo objetivo é verificar a expressividade das escolhas lexicais que dão ao contexto expressividade e revelam a visão de mundo das personagens. Neste estudo temos por objetivo analisar, na referida obra, o processo de derivação sufixal, em específico o sufixo –inho. Para isso o presente trabalho está fundamentado na Estilística léxica ou da palavra que se ocupa, segundo Martins (1989) dos aspectos expressivos das palavras ligados aos seus componentes semânticos e morfológicos, sem contudo, estarem desvinculados dos aspectos sintáticos e contextuais. Conforme Martins, a derivação sufixal é um processo de grande vitalidade, não só devido ao grande número de sufixos da língua, mas também pela variedade de conotações que muitos deles permitem sugerir. Desse modo, a função dos sufixos de diminutivo vai além do valor nocional, - ideia de tamanho – visto que esses sufixos também podem exprimir valor enfático; além de serem responsáveis pelo sentido avaliativo de um lexema, exprimindo tanto apreciação, carinho, delicadeza, ternura, humildade, cortesia; quanto depreciação, desdém, irritação, ironia, gozação, hipocrisia. Sabemos que a obra Vidas secas trata de uma família de retirantes nordestinos que foge da seca em condições sub-humanas e, devido à agressividade do meio, à subcondição de vida; as personagens vão passando por um processo de “animalização”, vivendo num mundo mais de sensações e reações instintivas. De acordo com Melo (2005) dentre os romances de Graciliano Ramos, este é o que melhor retrata a obsessão do escritor com a exatidão da linguagem, com a estrutura narrativa como forma de expressão de uma realidade. Nessa perspectiva, a linguagem escrita é tão concisa e dura quanto à história descrita. Conforme mencionado, o sufixo traz marcas de afetividade, nesse sentido, este estudo tem por objetivo analisar em toda a obra a seletividade lexical em –inho, verificando a expressividade desse sufixo na obra