logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Subordinação discursiva no português: a função interacional transição
Autor(es): Joceli Catarina Stassi S. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave Gramtica Discursivo-Funcional,Subordinao Discursiva,Funo Interacional Transio
Resumo O trabalho investiga, sob o escopo da Gramática Discursivo-Funcional (HENGEVELD & MACKENZIE, 2008), construções introduzidas por “porque”, que não exibem dependência morfossintática nem semântica em relação a uma oração principal imediatamente anterior ou posterior. Esse fenômeno é investigado nas variedades lusófonas que têm o português como língua oficial, quais sejam: (i) Brasil; (ii) Portugal; (iii) São Tomé e Príncipe; (iv) Angola; (v) Cabo Verde; (vi) Guiné-Bissau; (vii) Moçambique; e (viii) Timor Leste. O universo de investigação é constituído por ocorrências reais de uso, extraídas do corpus oral organizado pelo Centro de Linguística da Universidade de Lisboa, em parceria com a Universidade de Toulouse-le-Mirail e a Universidade de Provença- Aix-Marselha. As construções em foco, denominadas aqui “subordinadas discursivas”, são compreendidas como porções textuais que constituem Movimentos, e que, apesar de apresentarem a forma de uma oração subordinada, não dependem de nenhuma oração anterior ou posterior a elas, sendo destacadas prosodicamente (por meio de pausas longas, aumento da velocidade de fala, e mudança de tessitura), por Atos Interativos, ou por ambos. Este estudo objetiva: (i) determinar suas propriedades pragmáticas, semânticas, morfossintáticas e fonológicas, à luz da Gramática Discursivo-Funcional (HENGEVELD & MACKENZIE, 2008); (ii) especificar sua função interacional; e, por fim, (iii) contribuir para o modelo teórico que embasa este trabalho, expandindo o domínio discursivo de análise no Nível Interpessoal da teoria. Os resultados da pesquisa mostram que esse tipo de fenômeno é determinado por aspectos interpessoais e está presente na camada do Movimento, atuando na Organização do Discurso, com Função Interacional Transição, que introduz novos conteúdos à situação comunicativa. Entende-se por Função Interacional aquela que ocorre entre Movimentos (um Nuclear e outro Subsidiário), representando aspectos discursivos das unidades linguísticas. Construções que apresentam esse tipo de função refletem uma dada orientação discursiva, manifestada na materialidade do texto por meio de pistas sinalizadoras que ora organizam o discurso, ora monitoram a interação. Observa-se, assim, uma relação de dependência discursiva entre Movimentos que desempenham diferentes funções ao contribuir para o avanço da interação. Os resultados mostram que as estruturas investigadas compartilham propriedades de construções que extrapolam os limites da sentença, o que indica não só a maior autonomia semântica, morfossintática e fonológica dessas expressões em relação aos elementos anteriores e posteriores a elas, mas também a dependência pragmática existente entre essas construções e porções textuais maiores que também constituem Movimentos na interação, estabelecendo entre si relações de subordinação discursiva.