logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: A educação de surdos no Brasil: dicionarização de LIBRAS
Autor(es): Aline Cristina Lofrese Mauricio. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 14/10/2019
Palavra-chave Libras,Lngua de sinais,aprendizagem
Resumo O Novo Deit-Libras (Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue de Língua de Sinais Brasileira) foi editado pensando no desenvolvimento da pessoa surda, e como uma extensão e um desdobramento do único e pioneiro Dicionário da Língua de Sinais Brasileira (Capovilla & Raphael, 2001), livro ganhador de menção honrosa no Prêmio Jabuti 2002, na categoria de Educação e Psicologia. Esta nova versão atualizada, conforme o novo acordo ortográfico tem como referência, o paradigma da Linguística e das Neurociências cognitivas, que fomenta o engajamento compreensivo e a articulação de processamento pelos hemisférios esquerdo e direito, além do cerebelo. Tendo em vista que estudos em indivíduos surdos demonstram que a Língua de Sinais apresenta uma organização neural semelhante à da língua oral, ou seja, que ela se organiza no cérebro da mesma maneira que as línguas faladas. A Língua de Sinais apresenta, por ser uma língua, um período crítico precoce para sua aquisição, considerando-se que a forma de comunicação natural é aquela para a qual o sujeito está mais bem preparado, levando-se em conta a noção de conforto estabelecido diante de qualquer tipo de aquisição na tenra idade. O dicionário apresenta o dobro de sinais em relação à versão anterior: são 14 mil verbetes em português que correspondem aos 10.800 sinais de Libras e 56 mil verbetes, em inglês, correspondentes aos verbetes em português. A obra também apresenta a classificação gramatical dos verbetes, descrição escrita da forma e do significado dos sinais, exemplos de uso e ilustrações gráficas dos verbetes. Os leitores ainda podem contar com a ajuda de um índice semântico que agrupa os verbetes em temas. A pesquisa para este dicionário seguiu os moldes do primeiro dicionário (2001), que consistiu em uma vasta pesquisa de sinais regionais contando com o auxílio de informantes surdos de diversos estados, quase sempre ligados à Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos de sua região. Esta publicação pretende auxiliar a aprendizagem de Libras pelo Surdo brasileiro, de maneira mais prática e eficaz, e inspirar novas pesquisas para documentar o número crescente de sinais, uma vez que, como toda língua, as línguas de sinais têm seu léxico aumentado com novos sinais introduzidos pelas comunidades surdas em resposta às mudanças culturais e tecnológicas.