logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Infinitivas preposicionadas e clíticos em escritos de Julio Ribeiro e Coelho Neto
Autor(es): Giovanna Ike Coan. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 14/10/2019
Palavra-chave infinitivas preposicionadas,clticos,Histria Social da Lngua
Resumo As orações infinitivas preposicionadas sempre foram, na história da língua portuguesa, um contexto de variação na colocação dos clíticos. Já no início do século XX, Said Ali reconhecia que a aparente “orgia de colocações” levou a questão a escapar do tratamento pela norma gramatical. Estudos recentes têm correlacionado os índices distintos de próclise e ênclise ao tipo de preposição empregado. Comparando as variedades brasileira e europeia do português, em corpora de escritores oitocentistas, Oliveira (2011) observa, no PE, a especialização da ênclise no ambiente da preposição “a”, havendo próclise na presença das demais preposições, como “de” e “para”. Por sua vez, a produção dos autores românticos brasileiros se revelou predominantemente enclítica para todas as preposições e as formas pronominais, aproximando-se do português clássico. A preferência pela ênclise também é atestada por Silva (2012), que analisa o fenômeno na escrita de intelectuais paulistas republicanos do final do século XIX. Esta comunicação tem como objeto de estudo a colocação pronominal em infinitivas preposicionadas em textos produzidos por Julio Ribeiro (1845-1890) e Coelho Neto (1864-1934). Além de terem seus nomes marcados na literatura brasileira, ambos têm em comum a participação ativa na imprensa e o fato de terem sido professores de língua portuguesa em uma importante instituição de ensino de Campinas/SP. Julio Ribeiro ministrou no Colégio Culto à Ciência, na década de 1880, enquanto Coelho Neto trabalhou no estabelecimento quando este já se tornara o Ginásio Estadual de Campinas, no início dos anos de 1900. Os dados de Julio Ribeiro serão coletados de compilações de artigos publicados em jornais paulista, quais sejam: “Cartas sertanejas” (1885), “Procellarias” (1887) e “Uma polêmica célebre” (1888). O corpus de Coelho Neto provém de textos publicados em periódicos cariocas e reunidos em obras como “Fagulhas” (1897-1899), “A Bico de Pena” (1902-1903) e “Às Quintas” (1921-1923). Serão considerados como fatores condicionantes da posição do clítico o tipo de preposição, o tipo do pronome e o elemento que antecede a preposição. Atenção também será dada à posição do clítico em infinitivas preposicionadas de complexos verbais, observando-se a distribuição dos padrões de movimento do clítico (cf. Magro, 2005). Sob o enfoque da História Social da Língua Portuguesa, o trabalho busca o diálogo entre os resultados aqui obtidos e investigações anteriores sobre o fenômeno, os escritores em foco e a sociedade brasileira do final do século XIX e início do XX.