logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Por uma história da argumentação: das rupturas de sentido(s) no século XX
Autor(es): Dbora Raquel Hettwer Massmann. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 23/10/2019
Palavra-chave semntica,histria,argumentao
Resumo O objetivo deste trabalho é analisar formulações produzidas em torno da palavra argumentação em diferentes épocas mostrando seu(s) funcionamento(s) de sentido – sua constituição, sua formulação e sua circulação – nas ciências humanas. Assim, fundamentado teoricamente na Semântica do Acontecimento, tal como proposta por Guimarães (2002), este estudo descreve e analisa o(s) funcionamento(s) de sentido(s) da palavra argumentação em diferentes teorias argumentativas produzidas nas décadas de 50, 70 e 80 do século XX. Como corpus de estudo, selecionou-se um conjunto de textos de referência para os estudos da argumentação, tais como, o “Traité de l'argumentation. La nouvelle rhétorique” (1958) de Perelman e Olbrechts-Tyteca; “The uses of argument” (1958) de Toulmin; “De la logique à l´argumentation” (1976) de Grize; e “L'Argumentation dans la langue” (1988) de Anscombre e Ducrot. É o olhar do semanticista que, atrelado à perspectiva de estudo da história das ideias linguísticas, conduzirá à compreensão das especificidades da palavra argumentação nas diferentes teorias argumentativas do século XX. A partir da perspectiva teoria a qual no inscrevemos, compreendemos que, a cada acontecimento enunciativo, as palavras, a partir de seu funcionamento político e histórico, podem assumir novos sentidos e significar coisas diferentes. Assim, para descrever o sentido da palavra argumentação, investigam-se as condições sócio-históricas e ideológicas em que o acontecimento enunciativo foi produzido. Acontecimento este que se caracteriza pelo funcionamento da língua num dizer específico sobre argumentação. Este processo de produção de sentidos mobiliza procedimentos enunciativos distintos que afetam, reescrevem, retomam e resignificam o que já foi dito. Trata-se, pois, dos procedimentos de reescrituração e de articulação: a reescrituração produz sentido ao redizer o que já foi dito; já a articulação se dá como uma relação local e produz sentidos através das relações de contiguidade significadas pelo agenciamento enunciativo. Observando estes dois procedimentos enunciativos, chega-se ao conceito de Domínio Semântico de Determinação (DSD) (GUIMARÃES, 2007). Tem-se assim que dizer qual é (ou quais são) o(s) sentido(s) da palavra argumentação implica poder estabelecer o seu DSD. Os resultados obtidos a partir desta análise mostrarão a historicidade que se construiu nas diferentes formulações produzidas em torno do conceito de argumentação em contextos sócio-históricos e ideológicos distintos; e, além disso, contribuirão para a compreensão das significações do conceito de argumentação em quadros epistemológicos distintos e para o estudo da apropriação desse conceito nas rupturas teórico-metodológicas que a argumentação tem produzido na história das teorias linguísticas do século XX.