logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: O Saussure de Greimas - em estudo, a identidade e a diferença
Autor(es): Ilca Suzana Lopes Vilela. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave identidade e diferena,lingustica saussuriana,semitica greimasiana
Resumo Ambivalência, flutuação, deslocamento, fragmentação, líquido, diluído, frágil, efêmero, volátil, entre outros termos, são palavras que, segundo alguns estudiosos da teoria social, servem para caracterizar nossa contemporaneidade. É comum que tais estudiosos se refiram a época do pós-guerra, particularmente o advento da globalização, como importantes acontecimentos para emergência da identidade como problema teórico no âmbito das ciências humanas e sociais. Nos debates surge, então, aquele léxico que, coberto pelo sentido de instabilidade, discute a situação de nossas identidades nos dias atuais. Com efeito, esse léxico vem sendo usado para explicar a relação do sujeito individual e coletivo e o mundo atual. Em tais debates, é também recorrente a crítica aos esquemas dicotômicos de pensamento, creditando-se a Ferdinand de Saussure, no mais das vezes, um estruturalismo binário que não pode dar conta daquele cenário instável. Diante de tais reflexões, interessou-nos reler Saussure, à luz das noções de identidade e de diferença e, considerando-se que tais conceitos estão no centro de interesse das nossas investigações semióticas, este trabalho visa, ainda, verificar o proveito que dessas noções foi feito por Algirdas Julien Greimas para a teoria semiótica. Em síntese, esse estudo investiga, pois, os conceitos de identidade e de diferença de acordo com a acepção de Saussure, bem como, a incorporação dessa à semiótica greimasiana. Do primeiro, estudam-se as duas noções no Curso de Linguística Geral (CLG). Já a apropriação dessas no trabalho do estudioso lituano, terá como fonte principal de pesquisa o Dicionário de Semiótica de Greimas e Courtés. Referencial teórico bastante fecundo para essa reflexão é também a obra A identidade e a diferença, de Edward Lopes. Dessa, interessaram, particularmente, dois aspectos: a enfática retomada da citação do CLG de que todo mecanismo da língua gira em torno de identidades e de diferenças e, corolário dessa, a afirmação, por parte do semioticista brasileiro, de que é uma descoberta de Saussure a de que o discurso tem caráter dialógico. Interessaram tanto porque refutam muitas das críticas dirigidas ao pensador genebrino (a afirmação da estrutura e a negação da História, entre outras) quanto porque são conceitos que parecem produtivos no que tange à construção de conhecimento semiótico para descrever e explicar o discurso quilombola, centro de interesse da pesquisa de doutorado em andamento.