logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: O perfil do professor de linguagens, códigos e tecnologias: uma análise dos livros e apostilas utilizados no ensino fundamental
Autor(es): Nai Sadi Cmara. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave formas de vida,gneros escolares,competncias
Resumo No ano de 2012, realizamos uma pesquisa cujo objetivo foi o de identificar as características que compõem o perfil do professor da área de Linguagens, códigos e tecnologias, da secretaria da educação do estado de São Paulo. Realizamos uma análise de diferentes documentos: parâmetros, propostas curriculares, diretrizes, subsídios, enfim um conjunto gêneros considerados como gêneros escolares formadores do perfil profissional desses professores partindo do pressuposto com base em Bazerman ( 2011) de que os gêneros e os sistemas de atividades com os quais convivemos apresentam as formas de vida segundo as quais nos constituímos tanto pessoal como profissionalmente. Após as análises observamos que ao longo do tempo, as formas de vida variaram entre oferta, determinação, resolução, contraprogramação, autonomia, dependência, abertura e fechamento. Verificamos que, apesar de predominar, em todos os documentos avaliados, a forma de vida da determinação, da prescrição, estabelecendo uma visão normativa da educação, houve, ao longo das décadas estudadas, uma evolução quanto à forma de vida da autonomia como competência fundamental do perfil profissional do professor de linguagens, códigos e tecnologias. Dando continuidade à nossa pesquisa, e buscando compreender melhor a forma de vida da autonomia, decidimos realizar, neste ano, uma análise dos livros e ou apostilas utilizados em escolas públicas estaduais da região de Franca, estado de São Paulo, a fim de identificarmos, por meio da análise dos manuais-guias do professor, qual é a concepção que esses gêneros apresentam do docente, do aluno e das práticas de leituras propostas. Além dos pressupostos de Bazerman (2011), dos conceitos teóricos sobre gêneros Bakthin ( 2011), consideramos também as pesquisas sobre professores leitores e sua formação apresentadas por Andrade (2007). Segundo o autor, os textos apresentam um leitor projetado pelo autor, ou seja, todo enunciado apresenta uma imagem de seu leitor, ou como afirma Eco (, um leitor- modelo. Serão selecionados os livros e ou apostila elaborados pelas editoras como livro/apostila do professor, ou seja, um material-guia, que geralmente apresentam as respostas dos exercícios e orientações sobre como conduzir as unidades, os conteúdos, enfim, o trabalho com o material. Para analisarmos as concepções sobre as práticas de leituras desse material, utilizamos entre outros autores, as pesquisas de Rojo ( 2012, 2009), Soares (2003), Buzato (2001), Chartier (1998).