logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: INTERATIVIDADE E AUTORIA EM ENUNCIADOS HIPERMIDIÁTICOS
Autor(es): BEATRIZ GAYDECZKA. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave enunciados,autoria,hipermdia
Resumo A demanda crescente por análises de significação de práticas sociais, artísticas e tecnológicas coloca a Semiótica como um campo privilegiado de conhecimento sobre a produção de sentido nas práticas humanas. Em se tratando de práticas que envolvem o uso tecnologias de comunicação e de informação, uma diversidade de objetos - sejam eles aplicativos, sites, facebook, youtube - faz confluir sincreticamente signos, imagens e sons moventes, reagentes, sensíveis a intervenções. Grande parte desses objetos pressupõe uma construção enunciativa em que a participação coletiva e colaborativa dos destinatários torna-se princípio fundante. Isso instaura novos valores relacionados ao estatuto do enunciador, às projeções dos actantes (enunciador – enunciatário) e dos demais participantes (narrador – narratário, interlocutor – interlocutário) em seus modos de interação. Pretendemos neste trabalho apresentar uma reflexão a respeito do conceito de interatividade e de autoria peculiar dos ambientes digitais, onde as trocas discursivas exigem uma ética e uma estética democratizantes. Ética democratizante, no sentido de que a ideia de propriedade autoral, por exemplo, pode ser dissolvida na navegação livre da web, fraturando e transgredindo as relações de poder estabelecidas. A autoria, construída no diálogo entre os sujeitos, pode se valer de desdobramentos do sujeito da enunciação em vários papéis narrativos, relativos às várias linguagens de manifestação. Por sua vez, a estética democratizante vê-se refletida em espaços em que o profissional, o semiprofissional e o amador concorrem livremente. Ao tomarmos como objeto a fotografia, percebe-se que o ato de fotografar tornou-se indiscriminado. A solenidade do gesto se perde e se banaliza, pois qualquer um torna-se fotógrafo de fotos padronizadas. Todos os elementos técnicos, que são a essência da fotografia, são substituídos por ações irrefletidas e mecânicas. Assim, a discursivização das formas de vida apresentadas, especialmente na internet, lida com a multiplicidade de vozes e de linguagens, com a dinamicidade dos enunciados, com a diluição de fronteiras sociais e culturais e com a participação colaborativa de produção e de recepção concretizadas em textos hipermidiáticos. Essas práticas discursivas refletem e confirmam os regimes de participação e de mistura, princípios condizentes com os valores de universalidade e de diversidade contemporâneos.