logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: AUTORIA DO/NO BLOG
Autor(es): Fernanda Correa Silveira Galli. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave Blog,Escrita,Autoria
Resumo Pensar a autoria, sob a ótica discursiva, é considerar, antes de tudo, o sujeito enquanto posição que se constitui simbolicamente numa sociedade de códigos (não só) escritos. Na contemporaneidade, vemos emergir outros modos de produção e de circulação da escrita, o que envolve diferentes relações com o político, em especial na rede eletrônica, e, ainda, “uma mudança no processo de autoria, pois ao mesmo tempo em que está na mão do sujeito/autor a ação de se autorizar a publicar, no caso de blogs, por exemplo, há uma dispersão dessa autoria em páginas visíveis ou ocultas na Rede...” (ABREU, 2011a, p.54). Nessa esteira, uma escrita não garante ou supõe uma autoria: ela emerge como efeito, a partir de representações escritas dispersas que se (des)organizam pelo sujeito-autor-leitor que, “afetado pela sua inserção no social e na história”, tem a identidade configurada pelo lugar social (ORLANDI, 2001, p.76). A escrita envolve uma relação do sujeito com a história e é “movida por um real que demanda sentidos ininterruptamente, de modo que toda tentativa de ‘escrevê-lo’ está às voltas com as incompletudes e as faltas” (NUNES, 2006, p.45), as quais, a meu ver, se potencializam com a inscrição do sujeito na rede eletrônica. Essa inscrição do sujeito na letra, conforme coloca Orlandi (2006), “é um gesto simbólico-histórico que lhe dá unidade, corpo, no corpo social” (p.24). Assim, mesmo na dispersão incalculável do espaço virtual, parece-me que a escrita do/no blog “Outros Cadernos de Saramago”, meu objeto de estudo, apresenta certa unidade: um modo de individualização do sujeito da escrita (saramaguiana) emerge, mas “de formas diferentes nas diversas conjunturas históricas” (ORLANDI, 2006, p.24), dada a abertura de circulação da escrita e de produção de sentidos pelo sujeito. Sob essa ótica, em ambas as posições – de escritor-autor e leitor-autor, o sujeito se inscreve entre o mesmo e o diferente, heterogeneidades que lhe constituem, discursos e gestos interpretativos que lhe conferem uma posição-autor peculiar. Com base nessas considerações, proponho discutir, nessa abordagem, o conceito de autoria, a partir das contribuições foucaultianas e dos desdobramentos dessa noção pela/na teoria da análise do discurso de linha francesa pecheuxtiana. (Apoio: FAPESP – Processo 2009/51728-9)