logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Proposta para um estudo dialógico-discursivo da canção popular brasileira
Autor(es): LVARO ANTNIO CARETTA. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 22/10/2019
Palavra-chave Anlise do discurso,Cano popular,Gneros discursivos
Resumo A partir das teorias do Círculo de Bakhtin para o estudo dos gêneros discursivos, propomos um modelo de análise do gênero canção popular. Juntamente com as teorias bakhtinianas, trabalhamos com as propostas de Maingueneau sobre a enunciação e a gênese do discurso. Seguindo pelos caminhos sugeridos pelo professor francês, concebemos um modelo de análise que propõe uma abordagem da canção a partir dos elementos presentes no enunciado, compreendido como resultado das escolhas do enunciador. O discurso de uma canção pode ser estudado observando-se como esse enunciador cria a sua imagem - o seu ethos -, como elabora a cena de enunciação e como dialoga com outros discursos. Na interdisciplinaridade entre a teoria bakhtiniana e a Análise do Discurso, a primeira, que propõe um posicionamento dialógico frente ao enunciado, é o principal ponto de vista teórico que adotamos; a segunda, representante dos avanços da teoria dialógico-discursiva no decorrer do século XX, possibilita-nos a construção de um modelo de análise. Por se tratar de um gênero sincrético que relaciona a linguagem verbal e a musical, a canção deve ser compreendida tendo como princípio essa característica fundamental e, para estudarmos essa relação, trabalhamos com as propostas de Luiz Tatit sobre as relações entre a letra e a melodia. Analisando as pistas deixadas pelo enunciador no enunciado, podemos investigar o processo constitutivo da enunciação, que na canção passa obrigatoriamente pela maneira como o enunciador compatibiliza a letra com a melodia. Essas áreas com as quais trabalharemos possuem finalidade e campo de atuação bem definidos. Os estudos bakhtinianos preocupam-se com as relações dialógicas, a Análise do Discurso com as condições de produção do discurso, e a semiótica com a significação no enunciado. No entanto, isso não invalida a proposta de relacionar essas teorias, pois elas partem do mesmo objeto, o enunciado, particularmente o linguístico, seja ele o oral, o escrito ou, aquele que é objeto de nosso estudo, o cantado.