logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: O infinitivo flexionado e a dinamicidade da língua
Autor(es): Fernanda Canever. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 23/10/2019
Palavra-chave lingustica cognitiva,efeitos de frequncia,mudana lingustica
Resumo Este estudo tem como objetivo estudar o uso do infinitivo flexionado no português brasileiro em contextos não padrão, como em: (1) Agora os clientes da Drogaria x poderão obterem desconto com o cartão (...). (2) Como vocês podem fazerem isso? Diante de dados como esses, a questão que se coloca é a de o que estaria por trás desse aparente espalhamento da flexão do infinitivo para construções não padrão. Do ponto de vista teórico, o estudo explora a hipótese de que o espalhamento da flexão do infinitivo para novos contextos se deve tanto a efeitos de frequência de uso quanto a uma avaliação social positiva da flexão. Este estudo está sendo desenvolvido à luz de modelos de língua baseados no uso (Langacker 2000, Bybee 2006), de acordo com os quais gramática e uso estão em processo de retroalimentação, ou seja, que assim como a gramática serve de base para o uso, o uso serve de base para a formação da gramática. Considerando que algumas das inovações linguísticas que emergem nesse processo dinâmico podem vir a se tornar convencionalizadas e incorporadas à língua da comunidade, a forma como se dá esse processo de incorporação de inovações à língua ainda é uma questão em aberto nesse quadro teórico. Se por um lado estudos desenvolvidos no âmbito da Linguística Cognitiva têm demonstrado que a frequência de uso é um fator importante na dinâmica da língua, por outro, estudos recentes revelam que fatores de natureza social também estão envolvidos. Blythe & Croft (2012), por exemplo, apontam que a incorporação de novas variantes pode ser explicada pela atribuição de algum valor social positivo à variante inovadora. Já Eckert (2008) sugere que as variantes linguísticas possuem significados dinâmicos e flexíveis, continuamente negociados, reforçados e/ou incorporados na interação linguística. No caso do fenômeno linguístico investigado neste estudo -- o infinitivo flexionado --, a hipótese de que valores sociais positivos associados à flexão do infinitivo e seu crescente grau de arraigamento cognitivo podem explicar o espalhamento da flexão para um número cada vez maior de contextos não padrão é explorada a partir de um estudo de corpus. Foram utilizados três corpora de língua falada NURC-SP, NURC-RJ e NURC-RJ Recontato, e, para a extração dos dados, feita de modo automático por meio do software livre R, foi utilizado um script para buscas de concordâncias desenvolvido em Canever (2012).