logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: AS ESTRATÉGIAS ENUNCIATIVAS EM “O LADRÃO DE SONHOS”
Autor(es): Renata Cristina Duarte. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave enunciao,enunciado,estratgias enunciativas
Resumo Este trabalho se propõe a analisar o conto "O Ladrão de Sonhos" do autor Ivan Ângelo. O aparato teórico que sustenta essa análise é a teoria semiótica de base greimasiana, a qual se interessa pelo parecer do sentido, apreendido por meio dos discursos que o manifestam. Tomando o texto como objeto de significação e considerando-o um todo organizado de sentido, a semiótica estuda os mecanismos que o constituem, de modo a atingir o ponto central dessa teoria: como o sentido se constrói. Para tanto a teoria faz uso de uma gramática textual que analisa o plano de conteúdo de um texto, concebido sob a forma de um percurso que simula a geração do sentido, o percurso gerativo de sentido. Tal modelo teórico comporta três níveis - o fundamental, o narrativo e o discursivo - e parte dos elementos mais abstratos e profundos até alcançar os mais concretos e figurativos. No entremeio está a enunciação, uma instância de mediação entre as estruturas narrativas e discursivas, considerada como o ato de produção do discurso, pressuposta no enunciado. A estrutura da enunciação comporta duas instâncias: a do enunciador e a do enunciatário, entendidos respectivamente como o destinador e o destinatário, implícitos da enunciação, que se diferenciam do narrador e do narratário, actantes explicitamente instalados no discurso. No conto em questão o enunciador projeta um narrador a dialogar com seu narratário e a rememorar fatos de sua adolescência quando se envolveu com um garoto apelidado de Gênio. Esse ator, extremamente inteligente, é incompetente para se lembrar de seus sonhos, isso o motiva a desenvolver um aparelho capaz de salvar os sonhos por meio de imagens. Com o objetivo de recuperar as projeções da enunciação no enunciado, pretende-se analisar não só os procedimentos estratégicos utilizados pelo enunciador para construir o texto enunciado, mas também o contrato fiduciário estabelecido entre o enunciador e o enunciatário, isto é, a relação entre o fazer persuasivo do enunciador e o fazer interpretativo do enunciatário, considerando também as relações entre narrador e narratário. Esta análise compõe nossa pesquisa de Mestrado, financiada pelo OBEDUC/ CAPES/ Inep, que pretende não apenas explorar o aparato teórico-metodológico da semiótica francesa, mas, sobretudo, propor modelos de análise práticos com vistas ao aprimoramento das práticas de leitura no ambiente escolar. (Apoio: CAPES/INEP/OBEDUC - Projeto nº 70)