logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Uma comparação entre as perspectivas dowtiana e jackendoffiana de decomposição verbal
Autor(es): Alex de Britto Rodrigues. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 22/10/2019
Palavra-chave semntica lexical,decomposio,primitivos
Resumo Algumas noções como “tempo”, “causa”, “mudança” e “estado” foram por vezes relacionadas, em filosofia, à entidade “evento”. A discussão nessa área sobre tal entidade visa, geralmente, a definir sua natureza e a justificá-la em uma antologia. Já em linguística, o interesse em discutir essa entidade se limita a definir sua representação como um objeto linguístico. Todavia, algumas análises provenientes da filosofia, por se basearem em argumentos linguísticos, interessam aos linguistas. Portanto, essa discussão permeia as duas áreas, sendo que uma utiliza argumentos da outra, mesmo que cada uma tenha um objetivo próprio. O desenvolvimento dessa discussão resultará em diferentes propostas de análise do significado lexical, sobretudo o dos verbos. O objetivo central deste trabalho é analisar e comparar duas delas: a perspectiva de decomposição de Dowty e a de Jackendoff. A análise e a comparação das perspectivas de decomposição verbal propostas por Dowty e Jackendoff são necessárias por dois motivos principais: 1) por vezes, quando consideradas na literatura, sobretudo quando criticadas (cf. FODOR, 1970; PUSTEJOVSKY, [1991]2005; GRIMSHAW, 2005), não é levada em conta a diferença entre os programas teóricos seguidos pelas duas; sendo que essa diferença as torna concorrentes, ela precisa ser elucidada em todos os seus pontos, pois qualquer análise que as trate como se compartilhassem o mesmo programa teórico é inadequada; 2) se ambas as perspectivas são tratadas, por vezes, no mesmo plano de argumentação/análise, é preciso esclarecer em que sentido elas se aproximam. Alguns objetivos mais específicos podem ser expostos da seguinte maneira: • definir as vantagens e desvantagens de ambas as abordagens; • elucidar quais as justificativas para as decomposições propostas; • apontar qual perspectiva se apresenta mais adequada à verificação empírica. Os modos como Dowty e Jackendoff, cada um dentro de seus respectivos quadros teóricos, tratam a crítica às suas propostas podem ser aproximados. O que ambos os autores dizem é que os elementos primitivos decompostos não equivalem a itens lexicais em uma dada língua. Dowty assume que sua proposta apresenta um problema metodológico, que é a não possibilidade de precisar o que esses primitivos decompostos representam. Tal problema também se encontra na abordagem de Jackendoff, que não se preocupa em buscar essa precisão. Por outro lado, essa aproximação deve ser limitada pela diferença entre os quadros teóricos concorrentes de ambos os autores, o que aponta para a proposição de que, embora apresentem semelhanças, essas perspectivas teóricas são, em tese, incompatíveis.