logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Metáforas conceituais e a gestualidade em narrativas dançadas
Autor(es): Ana Luisa Seelaender. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 22/10/2019
Palavra-chave dana,gesto,metforas conceituais
Resumo O objetivo deste trabalho é apresentar como diferentes metáforas conceituais se relacionam através da gestualidade presente em uma narrativa dançada, mais especificamente a relação entre metáforas ontológicas e orientacionais (Lakoff e Johnson 1980). Metáforas ontológicas são apresentadas pelos autores como modos de conceitualizar entidades, emoções, ideias, etc., como objetos e substâncias. Metáforas orientacionais estão ligadas às experiências de nossos corpos no mundo através de relações espaciais (cima/baixo, frente/trás, direita/esquerda). Para poder estabelecer os gestos nos quais essas metáforas se apresentam, torna-se necessário discretizar o elemento gestual da técnica de dança, para então classificá-lo. Para tanto, adapto a proposta de Poyatos (2002) para o discurso verbal, que prevê três níveis que se inter-relacionam para a construção de sentido do discurso: o linguístico (com elementos segmentais e suprassegmentais), o paralinguístico (incluindo elementos qualificadores e modificadores da voz), e o quinésico (constituído pela postura e gestualidade). Proponho, então, três níveis para o discurso dançado: o técnico (com elementos segmentáveis da técnica, bem como a gestualidade canônica da dança), o paraquinésico (com elementos não segmentáveis que acrescentam qualidades aos movimentos), e o gestual (composto pela postura e gestualidade não canônica, assentado sobre uma acepção mais ampla de gesto, entendido como movimento expressivo não restrito a articuladores manuais (Kendon 2004)). É possível, assim, propor uma categorização para o gesto que acompanha a dança nos moldes propostos para o gesto que acompanha a fala. McNeill (1992) estabelece, para os gestos co-verbais, uma categorização que inclui as categorias de gestos dêiticos, icônicos, metafóricos, coesivos e batidas. Mittelberg (2006) incorpora nessa classificação o conceito de iconicidade proposto por Peirce (1903) para os hipoícones. A partir daí, proponho para os gestos que acompanham a dança as categorias de gestos dêiticos, icônicos imagéticos, icônicos diagramáticos, icônicos metafóricos, coesivos e batidas. Dessa forma, torna-se possível distinguir as ocorrências de metáforas ontológicas e orientacionais nos dados referentes aos gestos icônicos metafóricos. Parto da observação da cena do balcão na versão de Romeu e Julieta, de William Shakespeare, coreografada por Kenneth MacMillan para o The Royal Ballet. O programa ELAN (EUDICO Language Annotator), versão 4.1.1, desenvolvido pelo Instituto Max Planck, e largamente utilizado na transcrição de línguas de sinais, é empregado para a transcrição dos dados em diferentes trilhas, para simultaneamente descrever os vários aspectos dos gestos, como movimento de mãos, traços de expressão facial (movimento de sobrancelhas, pálpebras, olhar e boca), entre outros.