logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: CANÇÕES BUARQUIANAS NA DITADURA: AS PROVAS (NÃO) PROPOSICIONAIS NA ARTICULAÇÃO DA TRILOGIA RETÓRICA ASSOCIADA À MELOS
Autor(es): ADRIANO DANTAS DE OLIVEIRA. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 14/10/2019
Palavra-chave Retrica,discurso,paixes
Resumo Teremos, como proposta de trabalho, a exposição de um modelo de análise interdisciplinar a ser aplicado em um corpus composto por canções buarquianas com temática sócio-política do período da ditadura no Brasil. Utilizaremos como arcabouço teórico a Semiótica, a Retórica e a Análise do Discurso. Utilizaremos a Semiótica como parâmetro de apropriação e de descrição a fim de percebermos as modificações e as transformações nas narrativas presentes nas canções. Consideraremos, em nosso trabalho: o nível discursivo; o nível narrativo e o nível fundamental. Com o objetivo de analisar a interlocução sincrética entre letra e melodia inerente ao gênero canção, utilizaremos os postulados da Semiótica Tensiva. Após essa etapa de análise, relacionaremos o corpus ora descrito e os conceitos apropriados, a partir da análise Semiótica, à Retórica Clássica e aos movimentos retóricos realizados na canção. Ainda, como objetivo de nosso trabalho, iremos desvelar os traços ideológicos e as paixões suscitadas por meio das referidas canções, bem como as estratégias e os recursos discursivos utilizados para alcançar determinados efeitos de sentido. Consideraremos, dessa forma, a articulação da trilogia retórica: ethos, pathos e logos, associada à melos. Perceberemos, assim, como o compositor, durante o período da ditadura, espaço e tempo delineado por tensões e por controvérsias e pelo embate de ideias e de ideais, oculta, nos textos das canções e em suas melodias, ritmos e harmonias, os traços ideológicos, os sentidos, e, por fim, as possibilidades de paixões suscitadas, a partir de temas comuns, em uma situação retórica tipificada e instaurada por meio de canções como parte da cena enunciativa. Assim, os recursos retóricos utilizados, em uma época de sobredeterminação da subjetividade, são utilizados como estratégias para uma produção de efeitos de sentido que têm o objetivo de conduzir o auditório a uma perspectiva assumida pelo orador. Abordaremos, assim, os modos de orientação argumentativa e os traços subjacentes ao enunciado, e a seu produto pressuposto: a enunciação, considerando que, em uma determinada situação ou contexto, podem ter sentidos e podem tratar questões que são percebidos, apenas, se discursivizados.