logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: AS EXPECTATIVAS DO SUJEITO-NOMEADOR NA TOPONÍMIA DO OESTE PARANESE
Autor(es): Anna Carolina Chierotti dos Santos. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave Toponmia,Animotopnimos,Oeste Paranaense
Resumo A língua se constitui como um meio de representação da realidade utilizado pelo homem, uma vez que expressa conhecimentos, valores, crenças, atitudes de uma comunidade de falantes. De todos os níveis da língua, o léxico é um dos mais representativos da realidade, visto que por meio dele o falante nomeia elementos de seu ambiente físico e social, evidenciando a sua visão de mundo e a maneira de pensar e de agir da sua comunidade. A Toponímia, como uma disciplina que se ocupa do léxico toponímico, mantém estreita relação com a Lexicologia, à medida que o léxico toponímico também pode ser considerado uma forma de repositório da história local, uma vez que por meio do estudo dos topônimos é possível a recuperação de dados acerca da trajetória dos grupos humanos que habitaram e habitam a região e de momentos históricos vivenciados por eles. A partir do estudo da toponímia regional, observam-se influências ambientais, culturais e sociais relativas a determinado espaço geográfico, consideradas pelo denominador ao nomear o meio em que vive. Este trabalho discute resultados parciais de uma pesquisa mais ampla sobre a toponímia dos 32 municípios que integram as microrregiões de Toledo e de Foz do Iguaçu, ambas pertencentes à mesorregião Oeste Paranaense. Para este estudo foram selecionados os animotopônimos, ou seja, os topônimos motivados pela cognição e pela percepção do denominador segundo o modelo teórico de Dick (1990), adotado como parâmetro para a classificação taxionômica dos topônimos. O estudo orienta-se, fundamentalmente, pelo modelo teórico-metodológico proposto por Dick (1990; 1992; 1999). O corpus da pesquisa é formado pelos topônimos registrados nos mapas oficiais do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), com escalas que variam entre 1:50.000 ou 1:100.000. Em síntese, os animotopônimos da região, em grande parte, transparecem sentimentos positivos na nomeação dos acidentes. Esse contexto sugere que os indivíduos ali estabelecidos tinham a expectativa de encontrar na região um lugar próspero que pudesse proporcionar o essencial à vida, logo, exteriorizavam nas nomeações seus desejos intrínsecos.