logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: A fotografia de Sebastião Salgado: uma leitura semiótica de “Ouro, Serra Pelada, Brasil”
Autor(es): Gustavo Henrique Gyro de Paula Lopes. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave Percurso gerativo de sentido,relaes semissimblicas,fotografia
Resumo Em nossa pesquisa de mestrado propomos uma leitura de fotografias da série “Ouro, Serra Pelada, Brasil”, do livro “Trabalhadores – uma arqueologia da era industrial”, de Sebastião Salgado, a partir dos pressupostos teóricos da Semiótica francesa, voltando-nos para um de seus desdobramentos mais recentes, a semiótica visual ou plástica. Num primeiro momento, aplicamos ao texto, de maneira canônica, elementos do percurso gerativo de sentido. Interessa-nos, sobretudo, verificar, no nível discursivo, quais os procedimentos utilizados pelo sujeito da enunciação para constituir seu discurso, por meio das figuras dos atores, do espaço e do tempo projetados no texto enunciado, e que efeitos de sentido os mecanismos de projeção escolhidos fabricam. Devemos lembrar que o enunciador constrói no discurso todo um dispositivo veridictório, que deve ser compatível com as crenças do enunciatário que vai interpretá-lo. Salgado é um dos maiores expoentes da chamada fotografia documental, e, portanto, enquanto enunciador, é natural supor que seu discurso fotográfico queira se apresentar como o mais factual possível, criando, pois, o efeito de sentido de objetividade. No caso do texto em análise, interessa-nos entender, nesse conjunto de fotografias, de que maneira o sujeito da enunciação pode manifestar figuras que recobrem temas, os quais nos remetem a valores sociais e estéticos. Neste trabalho, especificamente, nosso objetivo é analisar a sintaxe e a semântica discursiva de uma das fotografias da série, para chegar aos efeitos de sentido propostos pelo enunciador e aos valores que o texto dissemina. Outro objetivo é, a partir das especificidades do texto fotográfico, entendendo-o como texto poético, analisar as relações semissimbólicas apreensíveis no texto. O estudo dos sistemas semissimbólicos estabelece as relações entre o sensível e o inteligível e, ao examinar as correlações entre categorias da expressão e do conteúdo, desvela os mecanismos reveladores da transfiguração das sensações em manifestações sígnicas. Buscaremos, portanto, compreender de que maneira as categorias do sensível, o plano da expressão (categorias topológicas, cromáticas e eidéticas), se correlacionam com as categorias do inteligível, o plano do conteúdo do texto. Devemos lembrar, nesse sentido, que a relação entre as categorias da expressão e do conteúdo, nos sistemas semissimbólicos, não são imotivadas, mas icônicas, pois a expressão concretiza sensorialmente os temas do conteúdo, instaurando um novo saber sobre o mundo que procuraremos, portanto, depreender no texto fotográfico que analisamos.