logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: As posições-sujeito do imigrante italiano na Quarta Colônia: entre a memória e a história
Autor(es): Viviane Teresinha Biacchi Brust. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 21/10/2019
Palavra-chave lngua,sujeito,histria
Resumo Considerando o discurso constituído por diferentes materialidades discursivas, a saber, alguns monumentos construídos – e depois desconstruídos e/ou reconstruídos - na Quarta Colônia de Imigração Italiana no Rio Grande do Sul, a partir das primeiras décadas do século XX, pelo sujeito imigrante, analisamos aquilo que entendemos como as diferentes tomadas de posição desse sujeito imigrante italiano frente à língua e ao patrimônio. Levando-se em conta também história e memória, as quais funcionam “coladas uma a outra”, temos como dominantes e identificadas três diferentes tomadas de posição. Assim, a posição-sujeito do imigrante italiano, nas primeiras décadas do referido século, quando este era movido pelo sonho de encontrar a Terra Prometida, o seu paraíso, será denominada posição-sujeito utopia. Num segundo movimento, quando esse sujeito, marcado pela utopia, cede lugar para o sujeito que a perde, que dela se distancia em função do medo e do funcionamento do poder opressor do Estado – então Estado Novo – o qual interdita a língua que o constitui e, consequentemente, interdita também o seu direito à subjetivação, o seu “direito à metáfora”, denominaremos posição-sujeito clivagem, ou seja, identificamos como ele se posiciona neste embate, seja pelo silenciamento, pela resistência ou pela adaptação. No terceiro movimento, a posição-sujeito do imigrante italiano será por nós denominada de político, pois é o sujeito que negocia para poder continuar e continua, estabelecendo, com o Estado - que passa a (re)conhecê-lo como cidadão -, um acordo, envolto na noção de pertencer. Essa questão, paradoxalmente, mostra ao sujeito a sua incompletude diante da língua e do simbólico. Essa análise tem como embasamento teórico-metodológico o estudo que empreendemos para a realização de nossa dissertação de mestrado quando pensamos que temos os monumentos - também documentos e, depois, Monumentos - na e pela imagem, a imagem como operador de memória social e, principalmente, a imagem como discurso.