logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: Uma análise estilístico-discursiva em dois contos de Lygia Fagundes Telles: Anão de jardim e Biruta
Autor(es): Sheyla Maria de Oliveira Santos. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 14/10/2019
Palavra-chave Anlise,Estilstica,Discursiva
Resumo Uma análise estilístico-discursiva em dois contos de Lygia Fagundes Telles: Anão de jardim e Biruta Sheyla Maria de Oliveira Santos Resumo Esta comunicação tem por objetivo analisar as escolhas lexicais e a constituição de sentido em dois contos, passando em seguida a desvelar os ethé dos respectivos enunciadores, observando as semelhanças e os contrastes entre os textos selecionados por meio da relação temática entre a humanização e a coisificação. O corpus selecionado são dois contos de Lygia Fagundes Telles, Anão de Jardim e Biruta. No primeiro, encontra-se Kobold, um narrador em primeira pessoa, enunciador de toda a trama, um anão de jardim feito de pedra, que se apropria das características humanas. Mesmo em sua estrutura limitada demonstra alguns sentimentos, tais como: tristeza, solidão e impotência mediante os fatos apresentados, exemplificando o processo de humanização de um objeto inanimado. As marcas linguísticas mostram um enunciador consciente mediante sua existência e o conhecimento de mundo, muitas vezes severo, outras vezes reflexivo e contestador, porém com um desejo imenso pela vida e clamante por sua existência. Esse enunciador contrapõe-se ao Professor, personagem sem nome, que sofre, pela indiferença da esposa, o processo de coisificação, que culmina com o descarte por meio do assassinato. No segundo, o enunciador Alonso, um órfão que é retirado do asilo por um casal que não o trata como filho, mas sim como um auxiliar dos serviços domésticos, sofre, por meio do abandono, o processo de coisificação, vivenciando, também, sentimentos de tristeza, solidão, luto e impotência mediante os acontecimentos. Por outro lado, seu cachorro Biruta assume traços humanos por ser o único vínculo de afeto que o menino experimenta ao longo do conto. Sendo assim, percebe-se que em ambos os textos estão presentes, apesar dos diferentes contextos, sentimentos semelhantes, aspecto que, ao lado da recorrência dos temas coisificação e humanização, aproximam os dois contos e justifica a escolha e análise do corpus selecionado. Baseando-se em autores como Martins (2008), Maingueneau (2008 e 2009), Amossy (2005) e Koch et al. (2007), o estudo se se desenvolve pelos pressupostos teóricos da Estilística Léxica em diálogo com a Análise do discurso e a Linguística Textual. Este trabalho integra os resultados de estudos apresentados pelo projeto Da Retórica à Estilística, do Grupo de Pesquisa Estudos Estilísticos e da linha de pesquisa Estudos Estilísticos: discurso, gramática e estilo.