logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: O crioulo guineense: o caso das nasais
Autor(es): Paula Mendes Costa. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 23/10/2019
Palavra-chave Nasais,Crioulo,Kriol
Resumo Este trabalho tem como objetivo descrever o comportamento das nasais no crioulo da Guiné-Bissau (o Kriyol ou Kriol) considerando os fenônemos fonológicos que as envolvem. Para a sua realização, são levados em conta estudos anteriores acerca das nasais no Crioulo da Guiné-Bissau (CGB), como os de Mbodj (1979), Kihm (1986) e Couto (1994; 1996) e trabalhos que apresentam análises fonológicas das nasais no crioulo caboverdiano, semelhante em alguns aspectos ao CGB, como os de Couto e Souza (2004), Lang (1999; 2000; 2007) e Quint (2006). É importante salientar que, dentre os trabalhos citados, ocorrem algumas divergências na interpretação de fenômenos que envolvem as nasais, como o caso das consoantes pré-nasalizadas do caboverdiano, as quais podem compreender uma interpretação monofonemática, como atestam autores como Kihn (1986), Quint (2006) e Lang (2007), e uma interpretação bifonemática, como supõem Couto e Souza (2004). No guineense, tal qual no caboverdiano, também aparecem em larga escala (e em sua maior parte nas mesmas situações contextuais que no caboverdiano) as consoantes pré-nasalizadas, sendo importante observar para o CGB, portanto, qual interpretação para o fenômeno seria a mais plausível tendo em vista os dados analisados. O CGB integra a família linguística dos crioulos de base lexical portuguesa da Alta Guiné (CAG), da qual também fazem parte o crioulo Caboverdiano e o crioulo de Casamansa. Assim, o CGB é uma língua que resulta do contato entre o português (língua de superstrato) e as diversas línguas africanas (línguas de substrato) faladas na Guiné-Bissau, todas pertencentes à família Níger-Congo, nomeadamente aos grupos Mande e Atlântico, conforme atestam Hagemeijer e Alexandre (2010). Para a realização desse estudo, procedeu-se à coleta de dados sonoros junto a estudantes guineenses de ambos os sexos vinculados à UFPE através do Programa de Estudantes-Convênio de Graduação (PEC-G), os quais compreendem um total de 26 alunos. O presente trabalho inscreve-se nos estudos crioulísticos de base sincrônica, apoiando-se inicialmente na abordagem estruturalista norte-americana, através do uso das técnicas da linguística distribucional, bastante úteis para o estabelecimento da fonologia segmental das línguas naturais. Além disso, para proceder à análise mais avançada acerca da fonologia da língua, o estudo se apoia em arcabouço teórico mais moderno, fornecido pela fonologia pós-gerativa, constante em Goldsmith (1995), Clements (1995), entre outros. Finalmente, é importante dizer que este trabalho faz parte de um estudo maior, ainda em andamento, cujos resultados comporão uma dissertação de mestrado.