logo

Programação do 61º seminário do GEL


61º SEMINáRIO DO GEL - 2013
Título: MANOBRAS TEXTUAIS/DISCURSIVAS NA COMPOSIÇÃO DO TEXTO ACADÊMICO
Autor(es): Sulemi Fabiano Campos. In: SEMINÁRIO DO GEL, 61 , 2013, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2013. Acesso em: 22/10/2019
Palavra-chave ESCRITA ACADMICA,POSIO SUBJETIVA,COMPOSIO TEXTUAL
Resumo Este trabalho é um estudo desenvolvido no Grupo de Pesquisa Estudos do Texto e do Discurso – GETED, do Departamento de Letras da UFRN e no do Grupo de Estudos e Pesquisa Produção Escrita e Psicanálise - GEPPEP da Faculdade de Educação da USP. Procuramos responder à seguinte pergunta de pesquisa: Quais recursos são utilizados para velar e desvelar enunciadores e em que medida eles conduzem a determinadas leituras em detrimento de outras? Temos como objetivos: analisar, por meio de expressões linguísticas e marcas enunciativas: 1) como se dá a disposição de vozes na construção textual; 2) de que forma ela contribui para a constituição de uma posição discursiva e 3) se e como os arranjos enunciativos indiciam formas de envolvimento daquele que escreve com seu escrito. O corpus da pesquisa é selecionado no Banco de Teses da CAPES – no Portal de Periódicos da CAPES. Analisamos dissertações de mestrado, em que foi produzida no curso de Letras, na área de Estudos da Linguagem. Buscamos fundamentação na perspectiva da Teoria da Enunciação e nas contribuições trazidas pela Análise do Discurso de linha francesa. Tomamos como argumentos pesquisas já realizadas sobre a leitura e escrita no ensino superior as quais denunciam a generalidade e indiferenciação das produções acadêmicas que circulam na contemporaneidade. Riolfi (2011) ressalta que “o escritor que ainda não pôde se apropriar do seu lugar de enunciação e, consequentemente, não tem critérios de escolha, pega esse autor, depois pega aquele, depois pega mais outro, o abandona pouco tempo depois” (p. 17). Já Fabiano (2007; 2011) a partir de análises de diferentes textos produzidos por alunos de graduação e pós-graduação, selecionados em diversas instituições de ensino superior do país, menciona que autores, quando citados, tendem a ser incluídos como argumento de autoridade, para garantir o prestígio de quem escreve. Prática que resulta no apagamento do autor em seu texto, tornando-o desconhecido em sua própria escrita. Problemas dessa natureza em relação à escrita na universidade têm ressaltado a necessidade do mapeamento das manobras textuais/discursivas que o pesquisador utiliza na composição do texto acadêmico para velar ou desvelar sua posição subjetiva.